sicnot

Perfil

Mundo

UNICEF quer fazer cadeia humana no Instagram pelas crianças afetadas pelo clima

A UNICEF lança na terça-feira uma campanha na rede social Instagram na qual apela a todos que "deem as mãos" para criar uma enorme cadeia humana de apoio às crianças afetadas pelas alterações climáticas.

Mark Lennihan

A campanha começa no Dia Mundial da Água e prolonga-se até 22 de abril, dia da assinatura do Acordo de Paris sobre as alterações climáticas, informa a UNICEF num comunicado hoje divulgado.

O objetivo, sublinha a agência das Nações Unidas para a infância, é "dar uma voz à UNICEF para alertar para o impacto imediato e injusto das alterações climáticas nas crianças e inspirar a ação".

A UNICEF começa por colocar no Instagram, uma rede social de partilha de fotografias, a imagem de uma criança.

Através dela, será partilhada uma história que lança a problemática das alterações climáticas e a sua ligação à saúde infantil.

Depois, o público em geral é convidado a participar, colocando na rede social uma fotografia de si próprio de braços abertos na horizontal, usando a 'hashtag' #ClimateChain.

Quando colocadas uma ao lado da outra, as fotografias darão a ilusão de que utilizadores de todo o mundo estão a dar as mãos pela causa.

O diretor executivo da UNICEF, Anthony Lake, o presidente da Assembleia-Geral da ONU, Mogens Lykketof, a diretora do UN Climate, Christiana Figueres, e outras figuras públicas vão também juntar-se simbolicamente à ação.

"Como parte da campanha, estamos a dar às pessoas uma forma de comunicarem com os líderes globais, mas também a sensibilizar para a causa das crianças afetadas pelas alterações climáticas", explica a UNICEF.

Lusa

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.