sicnot

Perfil

Mundo

Candidato norte-americano Donald Trump defende vigilância

O pré-candidato republicano à Casa Branca Donald Trump afirmou hoje que os Estados Unidos devem estar alerta e "ser inteligentes" após os atentados de Bruxelas, que fizeram pelo menos 34 mortos e 187 feridos.

Candidato presidencial norte-americano, Donald Trump.

Candidato presidencial norte-americano, Donald Trump.

© Jim Bourg / Reuters

"Lembram-se todos de quão bonita e segura era Bruxelas? Já não é. É de um mundo diferente! Os EUA têm de estar vigilantes e inteligentes!", escreveu o magnata norte-americano na sua conta do Twitter.

Em declarações à cadeia NBC, o aspirante a candidato a presidente dos EUA classificou Bruxelas como "uma cidade desastre" onde falhou a assimilação e defendeu que os Estados Unidos deviam fechar as suas fronteiras "até se perceber o que se passa".

"A Bélgica já não é a Bélgica. A Bélgica não é a Bélgica que ambos conhecemos há 20 anos, que era uma das cidades [sic] mais bonitas e seguras do mundo", disse Trump.

"A Bélgica é um espetáculo de horrores agora. Estão a acontecer coisas terríveis. As pessoas estão a sair. As pessoas estão com medo. Tudo isto aconteceu porque, francamente, não há assimilação".

Questionado sobre o que diria ao povo americano imediatamente após um ataque terrorista, Trump afirmou: "Vamos ser muito vigilantes e duros. Não vamos permitir que isto aconteça ao nosso país".

"Se acontecer, vamos encontrar os responsáveis e eles vão sofrer muito".

À Fox News, Trump, que tem defendido a proibição da entrada de muçulmanos nos EUA, disse que hoje Bruxelas é "uma cidade desastre. Um desastre total".

Os atentados de hoje no aeroporto e no metro de Bruxelas fizeram pelo menos 34 mortos e 187 feridos, segundo um novo balanço provisório das autoridades.

Segundo dados divulgados pela ministra da Saúde belga, Maggie de Block, cerca das 14:00 locais (13:00 em Lisboa), 14 pessoas morreram nas duas explosões ocorridas no aeroporto e, segundo o Ministério da Justiça, 81 ficaram feridas.

Segundo informações da empresa que explora o metropolitano, a STIB, avançadas cerca da mesma hora, 20 pessoas morreram na estação de metro, Segundo o presidente da câmara de Bruxelas, 106 pessoas ficaram feridas em Maelbeek, 17 das quais estão em estado grave.

Duas explosões registaram-se hoje de manhã, cerca das 08:00 locais (07:00 em Lisboa), no aeroporto de Zaventem e uma terceira, cerca de uma hora mais tarde, na estação de metro de Maelbeek, perto das instituições europeias.

As três explosões foram qualificadas pelas autoridades belgas como atentados terroristas.

Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.