sicnot

Perfil

Mundo

"Jamais renunciarei"

A Presidente brasileira, Dilma Rousseff, assegurou hoje que não renunciará ao cargo e que o processo de 'impeachment' (destituição) contra ela que segue no Congresso é uma tentativa de golpe.

© Adriano Machado / Reuters

"O que está em curso é um golpe contra a democracia. Jamais renunciarei", afirmou a chefe de Estado, em Brasília, durante um encontro com dezenas de juristas que criticaram o processo de 'impeachment' e a divulgação de gravações telefónicas da presidente interceptadas pela Operação Lava Jato.

Dilma considerou que a tentativa de derrubá-la é tramada nos "porões da baixa política".

"Pode descrever-se um golpe de Estado com muitos nomes, mas ele sempre será o que é: a ruptura da legalidade, atentado à democracia", enfatizou a líder brasileira.

Confessando que preferia não passar pelo que está a viver neste momento, Dilma Rousseff deixou, no entanto, claro que lhe "sobram energia, respeito à democracia e disposição para enfrentar a ameaça à estabilidade democrática do país".

Segundo a imprensa brasileira, juristas, advogados, promotores, magistrados e defensores públicos participaram do evento denominado "Encontro com Juristas em Defesa da Legalidade".

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, como a divulgação de áudio de conversa telefônica entre Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A presidente da República foi recebida no Palácio do Planalto, onde ouviu por diversas vezes a plateia gritar palavras de ordem como "não vai ter golpe".

Entre as vozes que se pronunciaram no evento, o ex-presidente da Associação Nacional de Juízes Federais (Ajufe), o governador do Maranhão, Flávio Dino, considerou a divulgação das escutas telefónicas feita pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, "absolutamente ilegais".

"Estamos assistindo a um crescimento dramático de posições de porte fascista representadas pela violência cometida por grupos inorgânicos sem líderes e em busca de um fuhrer [expressão alemã usada para designar um líder ou um chefe], de um protetor. Ontem, as Forças Armadas. Hoje, a toga supostamente imparcial e democrática", opinou.

Já o juiz federal Francisco de Queiroz Bezerra Cavalcanti criticou a tese de que Lula da Silva teria sido nomeado ministro da Casa Civil para obstruir a Justiça, dado que ao chegar ao governo passaria a ter foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal, escapando assim ao juiz Sérgio Moro.

Bezerra Cavalcanti frisou que, mesmo estando sob a alçada da Supremo, o ex-Presidente não deixaria de ser investigado.

Entre os áudios divulgados pelo juiz Sérgio Mouro, Dilma Rousseff diz a Lula da Silva que mandou alguém entregar o termo de posse do ex-Presidente como ministro para o caso de ser necessário.

As declarações foram interpretadas como um possível "combinação" para garantir a imunidade de Lula, mas a Presidente esclareceu que falavam na assinatura do seu antecessor para a tomada de posse, porque na altura não era ainda certa a presença de Lula no evento.

Por seu lado, o sub-procurador da República João Pedro de Sabóia Filho, alertou que o estado democrático está "ameaçado" por aqueles que querem "manipular a Justiça" e substituir o Governo.

Lusa

  • Impasse político é o principal tema na sociedade brasileira
    2:09

    Operação Lava Jato

    A crise política no Brasil tem sido o principal tema de conversa dos brasileiros que dizem que a situação económica os obriga a estarem preocupados. As suspeitas de corrupção que envolvem Lula e Dilma estão a dividir a sociedade brasileira o que, por sua vez, está a preocupar as autoridades. A reportagem é dos enviados especiais da SIC.

  • Maioria dos brasileiros concordam com destituição de Dilma Rousseff
    1:41

    Mundo

    O adensar da crise política no Brasil deixa muitas dúvidas em relação à capacidade de Dilma Rousseff sobreviver como Presidente a este momento conturbado. O último indicador de opinião pública revela que 68 % dos brasileiros concordam com uma destituição e consequente afastamento de Dilma Rousseff da presidência.

  • 6 mil protestam contra Dilma e Lula em Brasília
    2:36

    Operação Lava Jato

    Mais de 6 mil pessoas protestaram ontem contra Dilma Rousseff e Lula da Silva em Brasília. Por causa dos confrontos da semana passada, a polícia montou um enorme dispositivo policial à volta do Palácio do Planalto e do Supremo Tribunal Federal, mas o protesto terminou sem incidentes.

  • Portugueses no Brasil preocupados com a falta de alternativas políticas
    3:17

    Mundo

    O terramoto político no Brasil fez cair a pique a popularidade de Lula da Silva. Uma sondagem conhecida este domingo diz que mais de metade dos brasileiros está contra o ex-presidente e a maioria acha que Dilma Rousseff deve renunciar ao cargo de imediato. Em Brasília, os enviados especiais da SIC falaram com dois emigrantes portugueses, preocupados sobretudo com a falta de alternativas no sistema partidário do país.

  • Governo brasileiro avança com providências cautelares
    1:42

    Operação Lava Jato

    O Governo brasileiro está a tentar travar a eventual prisão preventiva de Lula da Silva. Os advogados avançaram com duas providências cautelares para suspender qualquer decisão judicial do processo Lava Jato até o Supremo Tribunal decidir se o ex-presidente pode ser Ministro. Ontem à noite, em Brasília, cerca de 100 pessoas juntaram-se em frente ao Palácio do Planalto para exigir a saída de Dilma Rousseff e a prisão de Lula da Silva.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.