sicnot

Perfil

Mundo

"Jamais renunciarei"

A Presidente brasileira, Dilma Rousseff, assegurou hoje que não renunciará ao cargo e que o processo de 'impeachment' (destituição) contra ela que segue no Congresso é uma tentativa de golpe.

© Adriano Machado / Reuters

"O que está em curso é um golpe contra a democracia. Jamais renunciarei", afirmou a chefe de Estado, em Brasília, durante um encontro com dezenas de juristas que criticaram o processo de 'impeachment' e a divulgação de gravações telefónicas da presidente interceptadas pela Operação Lava Jato.

Dilma considerou que a tentativa de derrubá-la é tramada nos "porões da baixa política".

"Pode descrever-se um golpe de Estado com muitos nomes, mas ele sempre será o que é: a ruptura da legalidade, atentado à democracia", enfatizou a líder brasileira.

Confessando que preferia não passar pelo que está a viver neste momento, Dilma Rousseff deixou, no entanto, claro que lhe "sobram energia, respeito à democracia e disposição para enfrentar a ameaça à estabilidade democrática do país".

Segundo a imprensa brasileira, juristas, advogados, promotores, magistrados e defensores públicos participaram do evento denominado "Encontro com Juristas em Defesa da Legalidade".

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, como a divulgação de áudio de conversa telefônica entre Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A presidente da República foi recebida no Palácio do Planalto, onde ouviu por diversas vezes a plateia gritar palavras de ordem como "não vai ter golpe".

Entre as vozes que se pronunciaram no evento, o ex-presidente da Associação Nacional de Juízes Federais (Ajufe), o governador do Maranhão, Flávio Dino, considerou a divulgação das escutas telefónicas feita pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, "absolutamente ilegais".

"Estamos assistindo a um crescimento dramático de posições de porte fascista representadas pela violência cometida por grupos inorgânicos sem líderes e em busca de um fuhrer [expressão alemã usada para designar um líder ou um chefe], de um protetor. Ontem, as Forças Armadas. Hoje, a toga supostamente imparcial e democrática", opinou.

Já o juiz federal Francisco de Queiroz Bezerra Cavalcanti criticou a tese de que Lula da Silva teria sido nomeado ministro da Casa Civil para obstruir a Justiça, dado que ao chegar ao governo passaria a ter foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal, escapando assim ao juiz Sérgio Moro.

Bezerra Cavalcanti frisou que, mesmo estando sob a alçada da Supremo, o ex-Presidente não deixaria de ser investigado.

Entre os áudios divulgados pelo juiz Sérgio Mouro, Dilma Rousseff diz a Lula da Silva que mandou alguém entregar o termo de posse do ex-Presidente como ministro para o caso de ser necessário.

As declarações foram interpretadas como um possível "combinação" para garantir a imunidade de Lula, mas a Presidente esclareceu que falavam na assinatura do seu antecessor para a tomada de posse, porque na altura não era ainda certa a presença de Lula no evento.

Por seu lado, o sub-procurador da República João Pedro de Sabóia Filho, alertou que o estado democrático está "ameaçado" por aqueles que querem "manipular a Justiça" e substituir o Governo.

Lusa

  • Impasse político é o principal tema na sociedade brasileira
    2:09

    Crise no Brasil

    A crise política no Brasil tem sido o principal tema de conversa dos brasileiros que dizem que a situação económica os obriga a estarem preocupados. As suspeitas de corrupção que envolvem Lula e Dilma estão a dividir a sociedade brasileira o que, por sua vez, está a preocupar as autoridades. A reportagem é dos enviados especiais da SIC.

  • Maioria dos brasileiros concordam com destituição de Dilma Rousseff
    1:41

    Mundo

    O adensar da crise política no Brasil deixa muitas dúvidas em relação à capacidade de Dilma Rousseff sobreviver como Presidente a este momento conturbado. O último indicador de opinião pública revela que 68 % dos brasileiros concordam com uma destituição e consequente afastamento de Dilma Rousseff da presidência.

  • 6 mil protestam contra Dilma e Lula em Brasília
    2:36

    Crise no Brasil

    Mais de 6 mil pessoas protestaram ontem contra Dilma Rousseff e Lula da Silva em Brasília. Por causa dos confrontos da semana passada, a polícia montou um enorme dispositivo policial à volta do Palácio do Planalto e do Supremo Tribunal Federal, mas o protesto terminou sem incidentes.

  • Portugueses no Brasil preocupados com a falta de alternativas políticas
    3:17

    Mundo

    O terramoto político no Brasil fez cair a pique a popularidade de Lula da Silva. Uma sondagem conhecida este domingo diz que mais de metade dos brasileiros está contra o ex-presidente e a maioria acha que Dilma Rousseff deve renunciar ao cargo de imediato. Em Brasília, os enviados especiais da SIC falaram com dois emigrantes portugueses, preocupados sobretudo com a falta de alternativas no sistema partidário do país.

  • Governo brasileiro avança com providências cautelares
    1:42

    Crise no Brasil

    O Governo brasileiro está a tentar travar a eventual prisão preventiva de Lula da Silva. Os advogados avançaram com duas providências cautelares para suspender qualquer decisão judicial do processo Lava Jato até o Supremo Tribunal decidir se o ex-presidente pode ser Ministro. Ontem à noite, em Brasília, cerca de 100 pessoas juntaram-se em frente ao Palácio do Planalto para exigir a saída de Dilma Rousseff e a prisão de Lula da Silva.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.