sicnot

Perfil

Mundo

Cardeal francês pede perdão às vítimas de padres pedófilos

O cardeal francês Philippe Barbarin, suspeito de ter fechado os olhos a casos de pedofilia, pediu pessoalmente perdão às vítimas dos padres acusados, durante uma missa na quarta-feira à noite, indicou hoje a diocese de Lyon.

© Robert Pratta / Reuters

Barbarin, arcebispo de Lyon centro-leste, citou o papa Francisco ao declarar sentir-se na "obrigação de assumir todo o mal cometido por alguns padres e pedir pessoalmente perdão pelos danos que eles causaram ao abusar sexualmente de crianças, apesar de não ser bispo na altura destes factos abomináveis", de acordo com a página digital da diocese.

Na semana passada, em Lourdes, o cardeal declarou "nunca ter ocultado o menor ato de pedofilia", sublinhando que a maioria dos casos tinha prescrito juridicamnete quando chegaram ao seu conhecimento.

Algumas vítimas apresentaram queixas contra vários responsáveis da Igreja, incluindo Barbarin, por não-denúncia dos factos.

Sem visar diretamente Barbarin, a justiça francesa abriu dois inquéritos preliminares na sequência das queixas apresentadas: uma por não-denúncia e perigo para a vida de terceiros, a segunda ainda sem motivo.

A Igreja francesa tem atuado nos casos de pedofilia, sobretudo desde a condenação em 2001 do bispo Pierre Pican a três meses de prisão com pena suspensa por não-denúncia das violações de menores cometidas por um padre da sua diocese.

Na semana passada, Charles Scicluna, antigo responsável da justiça no Vaticano, garantiu que atualmente já não é possível transferir um padre acusado de pedofilia para outra paróquia.

Até aqui, Barbarin teve o apoio dos seus pares, que consideram rigorosa a gestão do cardeal nestes processos.

O Vaticano afirmou que o cardeal geriu este dossier com muita responsabilidade, sublinhando que Barbarin "estava perante uma situação que remontava há vários anos".

Lusa

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras

  • Greve na Função Pública vai afetar escolas, saúde e cultura

    País

    A greve nacional convocada para sexta-feira pela Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (FNSTFPS) deverá afetar as escolas, a área da saúde e ainda da cultura, entre outros serviços, afirmou esta quarta-feira a dirigente sindical, Ana Avoila.

  • Marcelo comenta comparação de Centeno a Ronaldo

    País

    O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, comentou esta quarta-feira a comparação que o ministro das Finanças alemão terá feito entre Mário Centeno e Ronaldo, considerando que "quem quer que disse isso, por uma vez não pensou mal".