sicnot

Perfil

Mundo

Ex-porta voz do TPI-J detida antes do veredito de Karadzic

A antiga porta-voz da procuradora do Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia (TPI-J), Florence Hartmann, foi detida hoje junto ao tribunal, horas antes do anúncio do veredito do ex-líder sérvio-bósnio Radovan Karadzic.

Florence Hartmann (centro) detida frente ao TPI.

Florence Hartmann (centro) detida frente ao TPI.

APTN

Segundo jornalistas da agência France Presse no local, Hartmann, condenada em 2009 por desrespeito ao tribunal devido à publicação de um livro com informações confidenciais, foi detida pelos serviços de segurança da ONU e levada para o interior do edifício.

A antiga jornalista e antiga porta-voz estava junto de várias dezenas de manifestantes que aguardam o veredito, na sua maioria vítimas da guerra da Bósnia, entre as quais membros das "Mães de Srebrenica", associação que representa as vítimas do massacre de 1995 em que quase 8.000 homens e rapazes muçulmanos foram mortos pelas forças sérvias bósnias.

Hartmann, porta-voz da procuradora do TPI-J Carla del Ponte de 2000 a 2006, foi condenada em 2009 por divulgar no seu livro "Paz e Castigo" decisões confidenciais do tribunal.

A decisão foi confirmada em segunda instância em 2011, mas Hartmann, antiga correspondente do jornal Le Monde nos Balcãs, recusou pagar uma multa de 7.000 euros.

Os juízes decidiram então condená-la a sete dias de prisão e pediram às autoridades francesas que a detivessem e enviassem para Haia, o que foi recusado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros francês.

Lusa

  • Alegações finais do processo de Radovan Karadzic em Haia terminaram
    1:34

    Mundo

    Perante o Tribunal Penal Internacional, Radovan Karadzic reafirmou hoje que tem a consciência tranquila. Karadzic enfrenta acusações de crimes de guerra, genocídio, crimes contra a humanidade. Em causa estão as atrocidades cometidas na Bósnia há 20 anos. As alegações finais terminaram hoje em Haia.

  • Alegações finais no caso de Radovan Karadzic
    1:29

    Mundo

    A defesa de Radovan Karadzic faz hoje as alegações finais no Tribunal Penal Internacional. Acusado de crimes de guerra e contra a humanidade durante a guerra na Bósnia-Herzegovina, nos anos 90, o antigo chefe politico dos sérvios bósnios alega que não existem provas das ordens de execução de prisioneiros.

  • Karadzic absolvido do crime de genocídio na Bósnia-Herzegovina

    Mundo

    O Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia anunciou hoje a absolvição de Radovan Karadzic do crime de genocídio na Bósnia-Herzegovina, mantendo a acusação que diz respeito ao massacre de Srebrenica de 1995.  A defesa tinha pedido no início deste mês a anulação de todas as acusações relativas ao ex-dirigente sérvio.

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.