sicnot

Perfil

Mundo

Ex-porta voz do TPI-J detida antes do veredito de Karadzic

A antiga porta-voz da procuradora do Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia (TPI-J), Florence Hartmann, foi detida hoje junto ao tribunal, horas antes do anúncio do veredito do ex-líder sérvio-bósnio Radovan Karadzic.

Florence Hartmann (centro) detida frente ao TPI.

Florence Hartmann (centro) detida frente ao TPI.

APTN

Segundo jornalistas da agência France Presse no local, Hartmann, condenada em 2009 por desrespeito ao tribunal devido à publicação de um livro com informações confidenciais, foi detida pelos serviços de segurança da ONU e levada para o interior do edifício.

A antiga jornalista e antiga porta-voz estava junto de várias dezenas de manifestantes que aguardam o veredito, na sua maioria vítimas da guerra da Bósnia, entre as quais membros das "Mães de Srebrenica", associação que representa as vítimas do massacre de 1995 em que quase 8.000 homens e rapazes muçulmanos foram mortos pelas forças sérvias bósnias.

Hartmann, porta-voz da procuradora do TPI-J Carla del Ponte de 2000 a 2006, foi condenada em 2009 por divulgar no seu livro "Paz e Castigo" decisões confidenciais do tribunal.

A decisão foi confirmada em segunda instância em 2011, mas Hartmann, antiga correspondente do jornal Le Monde nos Balcãs, recusou pagar uma multa de 7.000 euros.

Os juízes decidiram então condená-la a sete dias de prisão e pediram às autoridades francesas que a detivessem e enviassem para Haia, o que foi recusado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros francês.

Lusa

  • Alegações finais do processo de Radovan Karadzic em Haia terminaram
    1:34

    Mundo

    Perante o Tribunal Penal Internacional, Radovan Karadzic reafirmou hoje que tem a consciência tranquila. Karadzic enfrenta acusações de crimes de guerra, genocídio, crimes contra a humanidade. Em causa estão as atrocidades cometidas na Bósnia há 20 anos. As alegações finais terminaram hoje em Haia.

  • Alegações finais no caso de Radovan Karadzic
    1:29

    Mundo

    A defesa de Radovan Karadzic faz hoje as alegações finais no Tribunal Penal Internacional. Acusado de crimes de guerra e contra a humanidade durante a guerra na Bósnia-Herzegovina, nos anos 90, o antigo chefe politico dos sérvios bósnios alega que não existem provas das ordens de execução de prisioneiros.

  • Karadzic absolvido do crime de genocídio na Bósnia-Herzegovina

    Mundo

    O Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia anunciou hoje a absolvição de Radovan Karadzic do crime de genocídio na Bósnia-Herzegovina, mantendo a acusação que diz respeito ao massacre de Srebrenica de 1995.  A defesa tinha pedido no início deste mês a anulação de todas as acusações relativas ao ex-dirigente sérvio.

  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • A experiência de um embaixador português na Coreia do Norte
    2:58

    País

    A Coreia do Norte tem o maior orçamento militar do mundo e o seu arsenal nuclear acaba por dar-lhe acesso a uma possível cimeira com os Estados Unidos. A pobreza e o culto da personalidade foram testemunhados pelo embaixador, José Manuel de Jesus, que visitou várias vezes Pyongyang.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.