sicnot

Perfil

Mundo

Japão quer reduzir horas extraordinárias para incentivar a produtividade

O Governo japonês planeia reduzir o limite de horas extraordinárias que os empregados podem trabalhar, com o objetivo de diminuir os longos dias de trabalho habituais neste país e aumentar a produtividade, informa a imprensa local.

O Governo japonês planeia reduzir o limite de horas extraordinárias para aumentar a produtividade, informa a imprensa local

O Governo japonês planeia reduzir o limite de horas extraordinárias para aumentar a produtividade, informa a imprensa local

© Thomas Peter / Reuters

A legislação japonesa estabelece atualmente um limite de 45 horas extra por mês, apesar de este número poder ser aumentado até às 100 horas mensais se o funcionário assinar uma "cláusula especial" no seu contrato que aceita estas condições.

O Executivo contempla agora fixar um novo limite máximo que impeça, em qualquer situação, que se ultrapassem as 80 horas suplementares mensais, incluindo um pacote de medidas destinadas a reformar o mercado de trabalho, segundo o jornal Nikkei.

Segundo uma sondagem realizada pelo Governo em 2015, 1,1 milhões de trabalhadores fizeram mais de 100 horas extra mensais.

A norma laboral fixa um máximo de 40 horas de trabalho por semana, com exceções para determinadas profissões, e diz que o tempo de trabalho que supere este limite deve ser considerado como horas extraordinárias e retribuído com uma compensação especial.

Lusa

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.