sicnot

Perfil

Mundo

Japão quer reduzir horas extraordinárias para incentivar a produtividade

O Governo japonês planeia reduzir o limite de horas extraordinárias que os empregados podem trabalhar, com o objetivo de diminuir os longos dias de trabalho habituais neste país e aumentar a produtividade, informa a imprensa local.

O Governo japonês planeia reduzir o limite de horas extraordinárias para aumentar a produtividade, informa a imprensa local

O Governo japonês planeia reduzir o limite de horas extraordinárias para aumentar a produtividade, informa a imprensa local

© Thomas Peter / Reuters

A legislação japonesa estabelece atualmente um limite de 45 horas extra por mês, apesar de este número poder ser aumentado até às 100 horas mensais se o funcionário assinar uma "cláusula especial" no seu contrato que aceita estas condições.

O Executivo contempla agora fixar um novo limite máximo que impeça, em qualquer situação, que se ultrapassem as 80 horas suplementares mensais, incluindo um pacote de medidas destinadas a reformar o mercado de trabalho, segundo o jornal Nikkei.

Segundo uma sondagem realizada pelo Governo em 2015, 1,1 milhões de trabalhadores fizeram mais de 100 horas extra mensais.

A norma laboral fixa um máximo de 40 horas de trabalho por semana, com exceções para determinadas profissões, e diz que o tempo de trabalho que supere este limite deve ser considerado como horas extraordinárias e retribuído com uma compensação especial.

Lusa

  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19

    Mundo

    O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos recebeu ao início da tarde na Noruega o prémio pelo trabalho que desenvolveu junto das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, FARC. As cerimónias são este sábado e marcadas pela ausência do Nobel da Literatura, Bob Dylan.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.