sicnot

Perfil

Mundo

Karadzic condenado a 40 anos de prisão pelo genocídio de Srebrenica

O Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia (TPI-J) condenou hoje o ex-líder sérvio-bósnio Radovan Karadzic pelo genocídio de Srebrenica em 1995 e por crimes contra a humanidade durante o conflito na Bósnia entre 1992 e 1995.

Os juízes do Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia (TPI-J) começaram a ler o veredito do ex-líder sérvio-bósnio Radovan Karadzic às 14h00 em Haia, eram 13h00 em Lisboa.

Acusação pedia uma pena de prisão perpétua

Mais de 20 anos após o fim da guerra civil na Bósnia-Herzegovina, Karadzic conheceu hoje a sentença do TPIJ pelas acusações de genocídio e crimes contra a humanidade. A acusação pediu uma pena de prisão perpétua.

No final de um longo processo histórico, o fundador da Republika Srpska (RS, a entidade política que hoje partilha a Bósnia a par da Federação croato-muçulmana) é designadamente acusado pelo TPIJ (uma instituição judicial 'ad hoc' da ONU) de envolvimento direto no massacre de Srebrenica e no cerco de Sarajevo, consideradas as piores atrocidades cometidas na Europa após a Segunda Guerra mundial.

Aos 70 anos, Karadzic foi indiciado por 11 atas de acusação por genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra cometidos durante a guerra na Bósnia (abril de 1992 - novembro de 1995) que provocou mais de 100.000 mortos e 2,2 milhões de deslocados.

Após a morte em 2006, no decurso do seu processo, do antigo presidente sérvio Slobodan Milosevic, é o mais alto responsável a ser julgado pelo tribunal pelos presumíveis crimes cometidos no decurso do conflito interétnico.

De acordo com a acusação, pretendia dividir a Bósnia e "expulsar em definitivo os muçulmanos e croatas dos territórios reivindicados pelos sérvios da Bósnia".

Radovan Karadzic é designadamente acusado de genocídio pelo massacre de cerca de 8.000 homens e adolescentes muçulmanos em Srebrenica em julho de 1995, e que segundo a acusação se inscrevia no plano de "limpeza étnica" planificado por Karadzic, por Ratko Mladic (o chefe militar dos sérvios bósnios e também em julgamento no TPIJ) e por Milosevic após o desmembramento da Jugoslávia.

Foi ainda acusado de genocídio em outros municípios da Bósnia, mas também deve responder por perseguições, mortes, violações, tratamentos inumanos ou transferências forçadas de populações.

A acusação também lhe atribuiu a responsabilidade pelo cerco de Sarajevo, que se prolongou por 44 meses e provocou 10.000 mortos, para além dos campos de detenção com "condições de vida inumanas".

Em entrevista concedida na quarta-feira ao BIRN, uma rede digital de jornalistas da região balcânica, o ex-líder sérvio bósnio disse que espera ser "absolvido" e assegurou que manteve um "combate permanente pela paz", considerando que a "ingerência de potências estrangeiras na crise" impediu um acordo político antes do início da guerra, em abril de 1992.

Antes, em janeiro e março de 1992, Karadzic participou em Lisboa, juntamente com os então líderes muçulmano e croata bósnios, Alija Izetbegovic e Mate Boban, na miniconferência de paz mediada pelo embaixador português José Cutileiro, que resultou na assinatura do "Acordo de Lisboa", depois conhecido por "plano Cutileiro" mas nunca concretizado.

Após ter-se considerado "não culpado" perante a instância judicial em março de 2009, o seu processo com mais de 47.500 páginas de transcrições e 115.000 páginas de elementos de prova terminou em outubro de 2014, na sequência de 497 dias de audiências e 586 testemunhas.

Karadzic manteve sempre a sua posição no decurso do julgamento e no final de 2012 declarava aos juízes do TPIJ: "Fiz tudo o que era humanamente possível para evitar a guerra e reduzir o sofrimento humano".

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20