sicnot

Perfil

Mundo

Karadzic condenado a 40 anos de prisão pelo genocídio de Srebrenica

O Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia (TPI-J) condenou hoje o ex-líder sérvio-bósnio Radovan Karadzic pelo genocídio de Srebrenica em 1995 e por crimes contra a humanidade durante o conflito na Bósnia entre 1992 e 1995.

Os juízes do Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia (TPI-J) começaram a ler o veredito do ex-líder sérvio-bósnio Radovan Karadzic às 14h00 em Haia, eram 13h00 em Lisboa.

Acusação pedia uma pena de prisão perpétua

Mais de 20 anos após o fim da guerra civil na Bósnia-Herzegovina, Karadzic conheceu hoje a sentença do TPIJ pelas acusações de genocídio e crimes contra a humanidade. A acusação pediu uma pena de prisão perpétua.

No final de um longo processo histórico, o fundador da Republika Srpska (RS, a entidade política que hoje partilha a Bósnia a par da Federação croato-muçulmana) é designadamente acusado pelo TPIJ (uma instituição judicial 'ad hoc' da ONU) de envolvimento direto no massacre de Srebrenica e no cerco de Sarajevo, consideradas as piores atrocidades cometidas na Europa após a Segunda Guerra mundial.

Aos 70 anos, Karadzic foi indiciado por 11 atas de acusação por genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra cometidos durante a guerra na Bósnia (abril de 1992 - novembro de 1995) que provocou mais de 100.000 mortos e 2,2 milhões de deslocados.

Após a morte em 2006, no decurso do seu processo, do antigo presidente sérvio Slobodan Milosevic, é o mais alto responsável a ser julgado pelo tribunal pelos presumíveis crimes cometidos no decurso do conflito interétnico.

De acordo com a acusação, pretendia dividir a Bósnia e "expulsar em definitivo os muçulmanos e croatas dos territórios reivindicados pelos sérvios da Bósnia".

Radovan Karadzic é designadamente acusado de genocídio pelo massacre de cerca de 8.000 homens e adolescentes muçulmanos em Srebrenica em julho de 1995, e que segundo a acusação se inscrevia no plano de "limpeza étnica" planificado por Karadzic, por Ratko Mladic (o chefe militar dos sérvios bósnios e também em julgamento no TPIJ) e por Milosevic após o desmembramento da Jugoslávia.

Foi ainda acusado de genocídio em outros municípios da Bósnia, mas também deve responder por perseguições, mortes, violações, tratamentos inumanos ou transferências forçadas de populações.

A acusação também lhe atribuiu a responsabilidade pelo cerco de Sarajevo, que se prolongou por 44 meses e provocou 10.000 mortos, para além dos campos de detenção com "condições de vida inumanas".

Em entrevista concedida na quarta-feira ao BIRN, uma rede digital de jornalistas da região balcânica, o ex-líder sérvio bósnio disse que espera ser "absolvido" e assegurou que manteve um "combate permanente pela paz", considerando que a "ingerência de potências estrangeiras na crise" impediu um acordo político antes do início da guerra, em abril de 1992.

Antes, em janeiro e março de 1992, Karadzic participou em Lisboa, juntamente com os então líderes muçulmano e croata bósnios, Alija Izetbegovic e Mate Boban, na miniconferência de paz mediada pelo embaixador português José Cutileiro, que resultou na assinatura do "Acordo de Lisboa", depois conhecido por "plano Cutileiro" mas nunca concretizado.

Após ter-se considerado "não culpado" perante a instância judicial em março de 2009, o seu processo com mais de 47.500 páginas de transcrições e 115.000 páginas de elementos de prova terminou em outubro de 2014, na sequência de 497 dias de audiências e 586 testemunhas.

Karadzic manteve sempre a sua posição no decurso do julgamento e no final de 2012 declarava aos juízes do TPIJ: "Fiz tudo o que era humanamente possível para evitar a guerra e reduzir o sofrimento humano".

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.