sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia Internacional denuncia "chocantes" execuções na Malásia

A Amnistia Internacional denunciou que as autoridades malaias enforcaram esta sexta-feira três homicidas condenados, apesar de pedidos de clemência de grupos de defesa dos direitos humanos, que apelidaram as execuções de "chocantes e perturbadoras".

Joshua Paul

Organizações internacionais e malaias, incluindo o comité dos direitos humanos da ONU l,ançaram esta semana apelos às autoridades para suspenderem a execução de Gunasegar Pitchaymuthu.

No entanto, a Amnistia alerta também para o caso dos irmãos Ramesh e Sasivarnam Jayakumar, que foram igualmente enforcados hoje.

A Malásia não anuncia publicamente as execuções e divulga pouca informação sobre a aplicação da pena de morte, pelo que não há confirmação oficial dos enforcamentos.

Nos últimos anos, dirigentes malaios têm indicado que o recurso à pena capital pode ser revisto, mas não são conhecidos progressos concretos.

"O facto de estas mortes aconteceram numa altura em que o Governo malaio está ativamente a discutir a abolição da pena de morte obrigatória faz com que as execuções sejam ainda mais chocantes e perturbadoras", disse Josef Benedict, diretor de campanhas da Amnistia no sudeste asiático, em comunicado.

"Estes enforcamentos são um revoltante lembrete que as autoridades malaias devem redobrar os seus esforços para estabelecer uma moratória sobre as execuções como primeiro passo para a abolição da pena de morte", diz o comunicado.

O gabinete para o sudeste asiático do Alto Comissário para os Direitos Humanos da ONU apelou, na quinta-feira, à suspensão da execução de Gunasegar Pitchaymuthu, afirmando estar "preocupado com a prática da Malásia de realizar execuções em segredo".

Cerca de 900 pessoas estão no corredor da morte na Malásia, a maioria por crimes de droga, segundo têm indicado dirigentes.

Desde 1960, quase 450 pessoas foram executadas, de acordo com dados divulgados em 2011, mas os ativistas dizem que os casos mais recentes têm sido raros.

Em 2014, as autoridades suspenderam a execução de um homicida condenado, Chandran Paskaran, após uma campanha de organizações de defesa de direitos humanos.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.