sicnot

Perfil

Mundo

Suspeito terrorista detido em Paris foi condenado em julho com líder de ataques

O suspeito de planear um ataque em França preso na quinta-feira à noite perto de Paris tinha já sido condenado na Bélgica, em julho, juntamente com Abdelhamid Abaaoud, o líder dos ataques de novembro na capital francesa.

© Gonzalo Fuentes / Reuters

Segundo revelaram hoje fontes policiais, o homem, identificado como Reda K., foi condenado à revelia em Bruxelas por fazer parte de uma rede de jihadistas que planeavam ir para a Síria, disseram as fontes.

Reda K., de nacionalidade francesa, foi preso em Argenteuil, noroeste de Paris, na noite de quinta-feira com uma pequena quantidade de explosivos.

O Ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, revelou que Reda K. era suspeito de "estar envolvido no plano a alto nível".

"Ele pertence a uma rede terrorista que procurou atingir o nosso país", disse Bernard Cazeneuve, admitindo contudo não haver "provas tangíveis que relacionem esse plano com os ataques ocorridos em Paris ou em Bruxelas".

O ministro acrescentou que o suspeito esteve sob vigilância "durante várias semanas" e que a prisão foi também resultado da "cooperação estreita e permanente entre os serviços europeus".

A prisão surge dois dias depois de 31 pessoas terem sido mortas em ataques suicidas no aeroporto e no metro de Bruxelas, colocando os serviços de segurança de toda a Europa em alerta máximo.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43