sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Norte divulga vídeo de propaganda em que míssil devasta Washington

A Coreia do Norte divulgou este sábado um vídeo de propaganda em que mostra um míssil a devastar Washington e termina com a bandeira dos Estados Unidos da América em chamas.

A televisão divulgou também imagens do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, a celebrar o êxito da operação ao lado de funcionários que estiveram na sala de comando.

A televisão divulgou também imagens do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, a celebrar o êxito da operação ao lado de funcionários que estiveram na sala de comando.

© KYODO Kyodo / Reuters

O filme, de quatro minutos, brinca com a história das relações entre os EUA e a Coreia do Sul e acaba com uma sequência criada digitalmente em que um míssil surge das nuvens e cai em frente do Lincoln Memorial, em Washington.

Em seguida, o Capitólio (o edifício onde se reúne o Congresso dos EUA) explode com o impacto e aparece uma mensagem em coreano: "Se os imperialistas norte-americanos avançarem uma polegada na nossa direção, serão imediatamente atingidos com (armas) nucleares".

O vídeo foi publicado no site de propaganda norte-coreano DPRK Today e inclui também imagens da Guerra da Coreia (1950-53), do sequestro do navio de espionagem dos EUA Pueblo (em 1968) e da primeira crise relacionada com o programa nuclear da Coreia do Norte, no início dos anos de 1990.

O regime de Pyongyang intensificou a propaganda e as ameaças de ataques a outros países nas últimas semanas em resposta ao exercício militar conjunto que os EUA e a Coreia do Sul estão a fazer em território sul-coreano, o maior de sempre.

Na sexta-feira, o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-u, supervisionou um simulacro de ataque armado a instituições governamentais da Coreia do Sul e fez novas ameaças militares ao país vizinho.

O jovem ditador dirigiu o exército com fogo real, simulando "fazer explodir Cheongwadae (a Casa Azul presidencial) e os órgãos reacionários em Seul" com os disparos de "mais de uma centena de peças de artilharia de longo alcance", indicou agência KCNA.

"Os canhões de artilharia abriram fogo com um ruído ensurdecedor, atingindo fortemente os alvos imaginários: Cheongwadae e as máquinas de poder de Seul", descreveu a agência.

Pyonguang já havia ameaçado atacar militarmente a Casa Azul, residência da Presidente Park Geun-hye, dois dias antes.

Em resposta, a chefe de Estado sul-coreana ordenou, na quinta-feira, ao Governo que aumentasse o nível de vigilância e pediu às Forças Armadas para se prepararem para responder "de maneira agressiva" a qualquer ação armada do país vizinho.

As Coreias vivem um momento de tensão depois de a Coreia do Norte ter feito o seu quarto teste nuclear no início de janeiro e lançado um rocket espacial em fevereiro, considerado um ensaio de mísseis encoberto.

Em resposta, o Conselho de Segurança da ONU impôs fortes sanções financeiras e comercias ao país, enquanto os Estados Unidos, a Coreia do Sul e o Japão ditaram medidas punitivas adicionais de forma unilateral.

Lusa

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.

  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.