sicnot

Perfil

Mundo

Pró-russos denunciam envio de armamento da Ucrânia para a linha de conflito

As milícias pró-russas da autoproclamada república popular de Lugansk (RPL), na zona este da Ucrânia, denunciaram hoje o envio de armamento pesado para a linha de separação de forças por parte do Exército ucraniano, o que consideram uma violação do acordo de Minsk.

© Vasily Fedosenko / Reuters

Em declarações à agência de notícias RPL, citada pela EFE, o porta-voz das milícias, Andréi Marochko, disse que a Ucrânia está a aproveitar o cessar-fogo para "aumentar o potencial militar das unidades que estão destacadas na zona da chamada operação antiterrorista".

A zona a que Andréi Marochko se refere foi assim denominada por Kiev no âmbito da campanha militar contra os separatistas.

Segundo o porta-voz, na passada sexta-feira, os ucranianos colocaram seis carros de combate ao longo do rio Derkul, nas proximidades da linha de separação das duas forças.

Acrescenta que no sábado chegou à estação de Oljóvskaya, que está sob controlo dos militares ucranianos, um comboio com tanques e canhões autopropulsados.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, advertiu no sábado que o atraso no cumprimento dos acordos de Minsk, pelo qual responsabilizou a Ucrânia, poderá ter "consequências irreparáveis".

"Não há progressos. Do ponto de vista da segurança, a situação na linha de separação de forças é frágil. Há uma enorme quantidade de provocações", disse Peskov à televisão russa.

Na sua opinião, a única coisa que pode salvar o processo é que "Kiev reconsidere e o presidente (da Ucrânia, Petró) Poroshenko promulgue as leis que deve promulgar e tome as decisões que deve tomar".

O porta-voz do Kremlin referia-se ao pacote de reformas políticas, em particular a descentralização da Ucrânia, que engloba os acordos de Minsk.

Kiev defende que as tais reformas poderão ser levadas a cabo assim que sejam cumpridos os aspetos militares dos acordos, em primeiro lugar, referindo-se ao restabelecimento do controlo total pela Ucrânia da fronteira com a Rússia na zona de conflito.

De acordo com as autoridades ucranianas, é através desse setor fronteiriço que os separatistas pró-russos das regiões de Lugansk e Donetsk recebem reforços e material militar.

A Ucrânia denunciou a participação de tropas regulares russas no conflito, acusação que Moscovo nega terminantemente.

O conflito na zona este da Ucrânia arrasta-se há quase dois anos e, segundo dados das Nações Unidas, provocou já mais d 9 mil mortos, entre civis e combatentes.

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.