sicnot

Perfil

Mundo

Pró-russos denunciam envio de armamento da Ucrânia para a linha de conflito

As milícias pró-russas da autoproclamada república popular de Lugansk (RPL), na zona este da Ucrânia, denunciaram hoje o envio de armamento pesado para a linha de separação de forças por parte do Exército ucraniano, o que consideram uma violação do acordo de Minsk.

© Vasily Fedosenko / Reuters

Em declarações à agência de notícias RPL, citada pela EFE, o porta-voz das milícias, Andréi Marochko, disse que a Ucrânia está a aproveitar o cessar-fogo para "aumentar o potencial militar das unidades que estão destacadas na zona da chamada operação antiterrorista".

A zona a que Andréi Marochko se refere foi assim denominada por Kiev no âmbito da campanha militar contra os separatistas.

Segundo o porta-voz, na passada sexta-feira, os ucranianos colocaram seis carros de combate ao longo do rio Derkul, nas proximidades da linha de separação das duas forças.

Acrescenta que no sábado chegou à estação de Oljóvskaya, que está sob controlo dos militares ucranianos, um comboio com tanques e canhões autopropulsados.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, advertiu no sábado que o atraso no cumprimento dos acordos de Minsk, pelo qual responsabilizou a Ucrânia, poderá ter "consequências irreparáveis".

"Não há progressos. Do ponto de vista da segurança, a situação na linha de separação de forças é frágil. Há uma enorme quantidade de provocações", disse Peskov à televisão russa.

Na sua opinião, a única coisa que pode salvar o processo é que "Kiev reconsidere e o presidente (da Ucrânia, Petró) Poroshenko promulgue as leis que deve promulgar e tome as decisões que deve tomar".

O porta-voz do Kremlin referia-se ao pacote de reformas políticas, em particular a descentralização da Ucrânia, que engloba os acordos de Minsk.

Kiev defende que as tais reformas poderão ser levadas a cabo assim que sejam cumpridos os aspetos militares dos acordos, em primeiro lugar, referindo-se ao restabelecimento do controlo total pela Ucrânia da fronteira com a Rússia na zona de conflito.

De acordo com as autoridades ucranianas, é através desse setor fronteiriço que os separatistas pró-russos das regiões de Lugansk e Donetsk recebem reforços e material militar.

A Ucrânia denunciou a participação de tropas regulares russas no conflito, acusação que Moscovo nega terminantemente.

O conflito na zona este da Ucrânia arrasta-se há quase dois anos e, segundo dados das Nações Unidas, provocou já mais d 9 mil mortos, entre civis e combatentes.

Lusa

  • PS e BE não propõem alívio da dívida à UE
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à União europeia e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta dos partidos para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido qualquer perdão de dívida, ao contrário do que os partidos mais à esquerda chegaram a defender.

  • Antigos ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo MP
    1:54

    Operação Marquês

    Quatro antigos ministros de Governos de José Sócrates foram ouvidos recentemente pelo Ministério Público (MP), no âmbito da Operação Marquês. Mário Lino, António Mendonça, Teixeira dos Santos e Luís Campos e Cunha foram ouvidos como testemunhas. Os investigadores chamaram os antigos governantes para esclarecer decisões relacionadas com a PT.

    Notícia SIC

  • Suspeito de atropelamento mortal diz que foi mero acidente 
    2:00
  • Confrontos na primeira greve geral no Brasil em 21 anos
    1:34
  • "Está na altura de pressionarmos a Coreia do Norte"
    0:45

    Mundo

    O secretário de estado norte-americano, Rex Tillerson, afirmou esta sexta-feira na ONU que a ameaça da Coreia do Norte é real e pediu que o conselho de segurança da ONU tome medidas antes que seja o regime de pyongyang a fazê-lo.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre após a cirurgia

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.