sicnot

Perfil

Mundo

Japão perde contacto com satélite de observação recém-lançado

A agência de exploração espacial japonesa (JAXA) anunciou hoje ter perdido o contacto com o seu satélite de observação espacial Astro-H, lançado a 17 de fevereiro para estudar os buracos negros e agrupamentos de galáxias.

O satélite foi transportado pelo foguetão japonês 'H-ITA', lançado a partir do centro espacial de Tanegashima, no sul do país.

O satélite foi transportado pelo foguetão japonês 'H-ITA', lançado a partir do centro espacial de Tanegashima, no sul do país.

© KYODO Kyodo / Reuters

A comunicação com o aparelho falhou desde o início das suas operações, programado para o passado sábado, dia 26, explicou a agência.

A causa da falha de comunicação está a ser investigada, estando a JAXA a tentar recuperar o contacto.

A agência recebeu um breve sinal do satélite durante as suas investigações, mas não é atualmente capaz de determinar o estado em que se encontra o dispositivo.

Uma porta-voz da JAXA indicou à agência AFP que uma equipa técnica de 40 membros foi destacada para resolver o problema do satélite.

O Centro Conjunto de Operações Espaciais (JSpOC) norte-americano, que rastreia objetos artificiais que orbitam em torno da Terra, informou, através da rede social Twitter, que observou cinco objetos próximos do satélite de observação espacial japonês, sugerindo que o aparelho pode ter sofrido várias "ruturas".

O astronauta do Centro de Astrofísica de Harvard-Smithsonian Jonathan McDowell replicou, porém, que tal não significa que se "tenha desfeito em pedaços", apontando que pequenas peças poder-se-ão ter desprendido e que o satélite "pode estar basicamente intacto".

O Astro-H, que transporta 200 espelhos de concentração de raios-X para aparelhos de última geração, tem 14 metros de comprimento e nove de largura e pesa 2,7 toneladas, figurando como o satélite mais pesado lançado até hoje pelo Japão.

Desenvolvido conjuntamente pela JAXA, pela agência espacial norte-americana (NASA) e outros grupos, tinha como objetivo ficar em órbita a cerca de 580 quilómetros de altitude para observar os raios-X emitidos principalmente por buracos negros e agrupamentos de galáxias distantes, através dos seus detetores de raios gama e quatro telescópios de raios-X.

O satélite foi transportado pelo foguetão japonês H-ITA, lançado a partir do centro espacial da ilha de Tanegashima, na prefeitura de Kagoshima, localizada no sudoeste do Japão.

Os buracos negros nunca foram observados diretamente, mas o anúncio em fevereiro da deteção, pela primeira vez, de ondas gravitacionais constitui mais uma prova da sua existência.

Os físicos concluíram que as ondas gravitacionais detetadas foram produzidas durante a fração final de um segundo da fusão de dois buracos negros num de maiores dimensões. Essa colisão de dois buracos negros tinha sido prevista, mas nunca observada.

De acordo com a JAXA, o Astro-H poderá contribuir com elementos de resposta inéditos para questões universais como: Quais são as leis da física em condições extremas? O que aconteceu no momento da criação do universo? Como se formaram as galáxias e como evoluíram? Como se desenvolvem os buracos negros e qual a sua influência em redor?

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.