sicnot

Perfil

Mundo

Kremlin acusa "serviços secretos estrangeiros" de pretenderem perturbar eleições na Rússia

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskovo, acusou hoje os serviços secretos e os media estrangeiros de procurarem desacreditar o Presidente russo, Vladimir Putin, e perturbar as eleições legislativas na Rússia previstas para Setembro.

Vladimir Putin, Presidente da Rússia.

Vladimir Putin, Presidente da Rússia.

© POOL New / Reuters

"Diversas instituições públicas, organizações não-governamentais, serviços de segurança de países estrangeiros e certos media (...) juntaram-se para uma campanha eleitoral no nosso país antes do início efetivo da campanha", disse.

"Continuam ativamente a tentar influenciar o nosso país (...) e o principal objetivo consiste em desacreditar" a reputação de Vladimir Putin, precisou.

As eleições legislativas na Rússia estão previstas para 18 de setembro, quando o país está confrontado com uma grave crise económica motivada pela queda dos preços do petróleo e as sanções ocidentais relacionadas com o conflito ucraniano.

No final de fevereiro Vladimir Putin já tinha afirmado que "inimigos estrangeiros" pretendiam perturbar estas eleições, e ordenou ao Serviço federal de segurança (FSB) um reforço da vigilância.

Segundo Dmitri Peskov, o "Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação" [ICIJ], um coletivo que tem revelado numerosos escândalos, designadamente financeiros, está a investigar a vida privada de Putin, da sua família e dos seus amigos.

O coletivo, que segundo o porta-voz inclui membros de serviços de informações estrangeiros, prepara "um ataque mediático" destinado a denegrir a reputação do Presidente da Rússia.

Peskov advertiu que o Kremlin está preparado para contra-atacar e poderá perseguir os jornalistas por difamação, caso publiquem "mentiras" sobre o líder russo.

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52