sicnot

Perfil

Mundo

Oposição venezuelana recolhe assinaturas para retirar Nicolás Maduro da Presidência

O partido da oposição venezuelana Um Novo Tempo (Unt) anunciou hoje ter iniciado uma recolha de assinaturas para convocar um referendo destinado a revogar o mandato do Presidente Nicolás Maduro.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

O anúncio foi feito deputado Elías Motta, porta-voz do partido, que explicou, durante uma conferência de imprensa, que a recolha de um milhão de assinaturas começará no Estado de Zúlia (oeste do país).

Vão ser ativados 100 mil promotores (cidadãos), cada um deles com a missão de contactar 10 pessoas, até se conseguir um milhão de voluntários.

Segundo Elías Matta, a Venezuela está a passar pela crise económica mais profunda da sua história, que levou ao encerramento de mais de 189 mil empresas nos últimos anos.

"Isso é uma catástrofe e a razão pela qual na Venezuela há falta de abastecimento e escassez de produtos, porque as empresas simplesmente estão a fechar", disse.

No passado dia 08 de março, a aliança opositora Mesa de Unidade Democrática anunciou o lançamento do "processo" para a realização de um referendo de revogação do mandato presidencial de Nicolás Maduro.

O anúncio foi feito, em conferência de imprensa, pelo secretário executivo daquela aliança, Jesus Chuo Torrealba.

"Afastar (Nicolás) Maduro é um passo, o nosso objetivo é construir uma Venezuela unida", afirmou na ocasião, acrescentando que a oposição vai avançar ainda com uma reforma constitucional para reduzir a duração do mandato presidencial de seis para quatro anos.

Segundo a oposição, antes do referendo sobre a revogação do mandato presidencial, a oposição vai aprovar uma "lei de referendos" para "impedir o bloqueio ou demoras neste mecanismo constitucional, que é um direito cidadão".

A oposição pretende eleger um novo Presidente para a Venezuela até finais de 2016.

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há uma outra portuguesa desaparecida. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. As buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42