sicnot

Perfil

Mundo

Oposição venezuelana recolhe assinaturas para retirar Nicolás Maduro da Presidência

O partido da oposição venezuelana Um Novo Tempo (Unt) anunciou hoje ter iniciado uma recolha de assinaturas para convocar um referendo destinado a revogar o mandato do Presidente Nicolás Maduro.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

O anúncio foi feito deputado Elías Motta, porta-voz do partido, que explicou, durante uma conferência de imprensa, que a recolha de um milhão de assinaturas começará no Estado de Zúlia (oeste do país).

Vão ser ativados 100 mil promotores (cidadãos), cada um deles com a missão de contactar 10 pessoas, até se conseguir um milhão de voluntários.

Segundo Elías Matta, a Venezuela está a passar pela crise económica mais profunda da sua história, que levou ao encerramento de mais de 189 mil empresas nos últimos anos.

"Isso é uma catástrofe e a razão pela qual na Venezuela há falta de abastecimento e escassez de produtos, porque as empresas simplesmente estão a fechar", disse.

No passado dia 08 de março, a aliança opositora Mesa de Unidade Democrática anunciou o lançamento do "processo" para a realização de um referendo de revogação do mandato presidencial de Nicolás Maduro.

O anúncio foi feito, em conferência de imprensa, pelo secretário executivo daquela aliança, Jesus Chuo Torrealba.

"Afastar (Nicolás) Maduro é um passo, o nosso objetivo é construir uma Venezuela unida", afirmou na ocasião, acrescentando que a oposição vai avançar ainda com uma reforma constitucional para reduzir a duração do mandato presidencial de seis para quatro anos.

Segundo a oposição, antes do referendo sobre a revogação do mandato presidencial, a oposição vai aprovar uma "lei de referendos" para "impedir o bloqueio ou demoras neste mecanismo constitucional, que é um direito cidadão".

A oposição pretende eleger um novo Presidente para a Venezuela até finais de 2016.

Lusa

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.