sicnot

Perfil

Mundo

A história da foto com o pirata do ar

O jovem britânico que tirou uma fotografia ao lado do egípcio que desviou ontem para Chipre um avião da EgyptAir explica que o fez porque "não tinha nada a perder". Uma imagem surrealista que está hoje a fazer manchetes na imprensa mundial e nas redes sociais.

Ben Innes, 26 anos, que vive em Aberdeen (Escócia), posa a sorrir ao lado do egípcio que era portador de um cinto de explosivos falso e foi um dos últimos passageiros a abandonar o avião no aeroporto de Larnaca, em Chipre.

"Pensava que a bomba era verdadeira. Não tinha de qualquer maneira nada a perder em aproximar-me dele", contou Ben Innes ao tabloide britânico The Sun.

"Após cerca de meia hora no avião em Larnaca, pedi-lhe para fazer uma foto com ele enquanto todos nós aguardávamos (pela resposta às reivindicações do pirata do ar). Dei por mim a perguntar-me: 'Porquê?'. Pensei que se ele se fizesse explodir, a fotografia não existiria. Mas pensei também que poderia ser uma forma de perceber se o cinto era verdadeiro ou não", referiu.

Logo depois, acrescentou, pediu a um membro da tripulação para traduzir o pedido ao pirata do ar, que aceitou, permitindo que uma hospedeira tirasse a fotografia.

Amigos de Ben Innes, citados pelo diário britânico The Guardian, afirmaram-se, porém, "pouco espantados" com a atitude.

"Ele não tem medo de nada. Tem tudo a ver com o seu caráter", disse um dos amigos de Ben Innes, citado por outro jornal, o Telegraph.

O pirata do ar fez crer que era portador de um cinto de explosivos para convencer o piloto do Airbus A-320 da EgyptAir, que fazia a ligação entre Alexandria e o Cairo, a dirigir-se para Chipre, a cerca de 500 quilómetros da costa egípcia.

Após aterrar em Larnaca, seguiram-se seis horas de tensão, ao mesmo tempo que, aos poucos, foram sendo libertados os 55 passageiros e a tripulação.

Com Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite