sicnot

Perfil

Mundo

Assad acusa Paris e Londres de apoiar terrorismo na Síria e Iraque

O Presidente sírio, Bashar al-Assad, acusa vários países ocidentais, sobretudo França e Reino Unido, a Turquia e a Arábia Saudita de apoiarem diretamente os grupos terroristas presentes na Síria e no Iraque, segundo uma entrevista hoje divulgada.

SANA HANDOUT

"O terrorismo é um problema de todos. É apoiado diretamente pela Turquia, pela família real da Arábia Saudita, e por alguns dos Estados ocidentais, sobretudo a França e o Reino Unido", afirmou o governante sírio, numa entrevista hoje divulgada pela agência noticiosa russa RIA Novosti.

Os restantes países ocidentais, segundo acrescentou Assad, "observam, sem fazerem nada de sério" para solucionar o problema.

Na mesma entrevista, Bashar al-Assad também explicou a sua visão das negociações de paz que têm decorrido em Genebra, mas sem abordar qual será o seu papel durante o período de transição política no país, um dos aspetos que tem sido debatido nas conversações indiretas na Suíça entre a oposição síria e o regime de Damasco e um dos principais obstáculos para o fim do conflito civil sírio.

Segundo o governante, Damasco não aceita a formação de um "órgão executivo de transição", mas defende um "governo de unidade nacional que redija uma nova Constituição".

"Nem a Constituição síria, nem a Constituição de nenhum outro país prevê algo designado como um órgão de poder de transição. Não tem lógica e é inconstitucional. Quais seriam as atribuições desse órgão? Quem vai controlar o seu trabalho?", realçou o líder sírio.

O que existe, sublinhou Assad, "é uma Constituição e um Conselho Nacional [parlamento] que regulam o governo e o Estado, e por isso a solução é um governo de unidade nacional que deve redigir uma nova Constituição".

O chefe de Estado sírio afirmou que está disponível para negociar "o formato da transição" na Síria, indicando que o primeiro passo a dar é negociar a formação de um governo integrado "por diversas forças políticas sírias: opositores, independentes, membros do atual governo e outros".

Bashar al-Assad reconheceu que até à data "não se pode dizer que foram alcançados resultados nas conversações em Genebra" e explicou que as partes estão a trabalhar num documento que vai estabelecer "os princípios básicos" das negociações.

"Sem estes princípios, as negociações tornam-se caóticas e não levam a lado nenhum, é criado espaço para que as partes mostrem obstinação e permite a ingerência de outros países", acrescentou.

Até ao momento, o regime de Damasco e a oposição síria ainda não conseguiram ter conversações diretas, porque ainda não foram capazes de ultrapassar divergências iniciais e avançar com o processo negocial.

Os Estados Unidos e a oposição exigem que o Presidente sírio renuncie ao poder, enquanto Damasco e a Rússia insistem que a eventual saída de Bashar al-Assad deve ser decidida pelo povo sírio, deixando assim a porta aberta para que o governante participe numa futura eleição.

Numa reunião organizada em Viena, antes das negociações de Genebra, cerca de 20 países envolvidos no conflito sírio concordaram que o poder devia ser transferido para um órgão de governo transitório, que seria responsável por criar as condições necessárias para a redação de uma nova Constituição e para a organização de eleições livres.

Essas eleições deveriam ser realizadas dentro de um prazo máximo de 18 meses, segundo o calendário acordado pelo Conselho de Segurança da ONU.

Na quinta-feira passada, o enviado especial da ONU para a Síria, o veterano diplomata italo-sueco Staffan de Mistura, afirmou que pretendia retomar as negociações de paz a 09 de abril, apesar do regime sírio ter pedido o agendamento das conversações para depois das eleições parlamentares naquele país, agendadas para o próximo dia 13 de abril.

Mais de 270 mil pessoas, incluindo mais de 79 mil civis, morreram na Síria desde o início do conflito civil em março de 2011, que também provocou milhões de deslocados e refugiados.

Lusa

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.