sicnot

Perfil

Mundo

Assad acusa Paris e Londres de apoiar terrorismo na Síria e Iraque

O Presidente sírio, Bashar al-Assad, acusa vários países ocidentais, sobretudo França e Reino Unido, a Turquia e a Arábia Saudita de apoiarem diretamente os grupos terroristas presentes na Síria e no Iraque, segundo uma entrevista hoje divulgada.

SANA HANDOUT

"O terrorismo é um problema de todos. É apoiado diretamente pela Turquia, pela família real da Arábia Saudita, e por alguns dos Estados ocidentais, sobretudo a França e o Reino Unido", afirmou o governante sírio, numa entrevista hoje divulgada pela agência noticiosa russa RIA Novosti.

Os restantes países ocidentais, segundo acrescentou Assad, "observam, sem fazerem nada de sério" para solucionar o problema.

Na mesma entrevista, Bashar al-Assad também explicou a sua visão das negociações de paz que têm decorrido em Genebra, mas sem abordar qual será o seu papel durante o período de transição política no país, um dos aspetos que tem sido debatido nas conversações indiretas na Suíça entre a oposição síria e o regime de Damasco e um dos principais obstáculos para o fim do conflito civil sírio.

Segundo o governante, Damasco não aceita a formação de um "órgão executivo de transição", mas defende um "governo de unidade nacional que redija uma nova Constituição".

"Nem a Constituição síria, nem a Constituição de nenhum outro país prevê algo designado como um órgão de poder de transição. Não tem lógica e é inconstitucional. Quais seriam as atribuições desse órgão? Quem vai controlar o seu trabalho?", realçou o líder sírio.

O que existe, sublinhou Assad, "é uma Constituição e um Conselho Nacional [parlamento] que regulam o governo e o Estado, e por isso a solução é um governo de unidade nacional que deve redigir uma nova Constituição".

O chefe de Estado sírio afirmou que está disponível para negociar "o formato da transição" na Síria, indicando que o primeiro passo a dar é negociar a formação de um governo integrado "por diversas forças políticas sírias: opositores, independentes, membros do atual governo e outros".

Bashar al-Assad reconheceu que até à data "não se pode dizer que foram alcançados resultados nas conversações em Genebra" e explicou que as partes estão a trabalhar num documento que vai estabelecer "os princípios básicos" das negociações.

"Sem estes princípios, as negociações tornam-se caóticas e não levam a lado nenhum, é criado espaço para que as partes mostrem obstinação e permite a ingerência de outros países", acrescentou.

Até ao momento, o regime de Damasco e a oposição síria ainda não conseguiram ter conversações diretas, porque ainda não foram capazes de ultrapassar divergências iniciais e avançar com o processo negocial.

Os Estados Unidos e a oposição exigem que o Presidente sírio renuncie ao poder, enquanto Damasco e a Rússia insistem que a eventual saída de Bashar al-Assad deve ser decidida pelo povo sírio, deixando assim a porta aberta para que o governante participe numa futura eleição.

Numa reunião organizada em Viena, antes das negociações de Genebra, cerca de 20 países envolvidos no conflito sírio concordaram que o poder devia ser transferido para um órgão de governo transitório, que seria responsável por criar as condições necessárias para a redação de uma nova Constituição e para a organização de eleições livres.

Essas eleições deveriam ser realizadas dentro de um prazo máximo de 18 meses, segundo o calendário acordado pelo Conselho de Segurança da ONU.

Na quinta-feira passada, o enviado especial da ONU para a Síria, o veterano diplomata italo-sueco Staffan de Mistura, afirmou que pretendia retomar as negociações de paz a 09 de abril, apesar do regime sírio ter pedido o agendamento das conversações para depois das eleições parlamentares naquele país, agendadas para o próximo dia 13 de abril.

Mais de 270 mil pessoas, incluindo mais de 79 mil civis, morreram na Síria desde o início do conflito civil em março de 2011, que também provocou milhões de deslocados e refugiados.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.