sicnot

Perfil

Mundo

Líder do Podemos renuncia a vice-presidência mas insiste em Governo de esquerda

O líder do partido de esquerda espanhol Podemos insistiu hoje num "governo de coligação de esquerda" para Espanha, com o socialista PSOE mas sem o Ciudadanos (centro-direita), e anunciou que está disposto a ceder na exigência de ser vice-presidente de um Governo do socialista Pedro Sánchez.

Líder do PSOE Pedro Sánchez e líder do podemos Pablo Iglesias.

Líder do PSOE Pedro Sánchez e líder do podemos Pablo Iglesias.

© Sergio Perez / Reuters

"A via mais eficaz, simples e possível [para que haja um governo progressista em Espanha] é da via dos 161", disse Pablo Iglesias, numa referência ao número de deputados que somariam PSOE (90), Podemos (69) e Izquierda Unida (2) numa futura votação de investidura.

Pablo Iglesias falava no final de uma reunião com o secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, no Congresso dos Deputados, para discutir eventuais acordos para formação de Governo. Espanha realizou eleições gerais há 101 dias e restam 33 para que os partidos consigam chegar a um acordo, evitando assim nova ida às urnas.

"Com este apoio de 161 deputados no Congresso teríamos um governo de coligação progressista e esta fórmula é muito mais segura e eficaz do que a via dos 130, que já mostrou que não serve. O melhor para Espanha é seguir para os 161", salientou Pablo Iglesias. A referência do secretário-geral do Podemos aos 130 deputados prende-se com o acordo do PSOE com o Ciudadanos (40 deputados), chumbado na primeira sessão de investidura de Pedro Sánchez, no início do mês.

Logo após as primeiras reuniões do Rei Felipe VI com os partidos para a formação de governo, o Podemos tinha oferecido ao PSOE a formação de um executivo de esquerda, com Pedro Sánchez como presidente, Iglesias como vice-presidente e cinco ministérios para a formação de esquerda radical. Hoje, Iglesias aceitou renunciar a ser vice-presidente.

"Se a minha presença é uma dificuldade, então estou disposto a ceder e a não estar nesse governo. Para defender a justiça social, a presença do Podemos nesse governo é essencial, mas se o problema que tem o PSOE é a minha presença, então saio", afirmou Pablo Iglesias.

No entanto, salientou que a vice-presidência desse futuro governo seria do Podemos, já que defendeu um executivo "proporcional" ao número de votos que cada votação obteve a 20 de dezembro.

O líder do Podemos acrescentou que passará a liderar o grupo de negociações com o PSOE e outros partidos para formar um governo à esquerda e salientou que agora os socialistas "já não têm mais desculpas".

"Agora toca ao PSOE ceder um pouco e explorar a via dos 161", afirmou.

Sobre o pacto dos socialistas com o Ciudadanos, Iglesias disse ter transmitido a Pedro Sánchez que respeita esse acordo, mas sublinhou que "já demonstrou não servir como acordo de governo".

"As duas tentativas de investidura demonstram que não serve. Mas tomámos nota da boa disposição do Ciudadanos, e pensamos que pode vir a viabilizar - pela ativa ou pela passiva - um governo de esquerda", disse Iglesias, acrescentando que está disponível para reunir-se com o líder do Ciudadanos, Albert Rivera.

O Podemos pede ao Ciudadanos que se abstenha ou vote a favor num governo de coligação de esquerda entre o PSOE, o Podemos e a Izquierda Unida, mas rejeita estar num executivo com a formação de centro-direita.

Lusa

  • Polémica sobre offshore intensifica guerra de palavras entre PSD e Governo
    2:39
  • DGO divulga hoje execução orçamental de janeiro

    Economia

    A Direção-Geral do Orçamento (DGO) divulga hoje a síntese de execução orçamental em contas públicas de janeiro, sendo que o Governo estima reduzir o défice para 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em contabilidade nacional em 2017.

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.