sicnot

Perfil

Mundo

Myanmar tem o primeiro presidente democraticamente eleito em mais de 50 anos

O novo presidente de Myanmar (ex-Birmânia) tomou hoje posse, perante o parlamento em Naypyidaw, marcando o início de uma nova era para o país, que esteve durante décadas sob domínio militar.

Presidente de Myanmar, Htin Kyaw (esq.), presta juramento.

Presidente de Myanmar, Htin Kyaw (esq.), presta juramento.

© POOL New / Reuters

"Prometo ser fiel ao povo da República birmanesa", declarou Htin Kyaw, que chegou ao parlamento ao lado da prémio Nobel da Paz e ativista pró-democracia Aung San Suu Kyi, envergando os dois 'longyis', a tradicional saia birmanesa.

"Tenho a obrigação de trabalhar para uma Constituição de padrão democrático e adequada ao país", disse o primeiro Presidente eleito democraticamente em mais de 50 anos.

"Compreendo que temos de trabalhar pacientemente para concretizar as ambições políticas que o nosso povo sonhou durante muitos anos", sublinhou Htin Kyaw, de 69 anos, no discurso de posse, de menos de três minutos, de acordo com o jornal birmanês The Irrawaddy.

Impossibilitada de ser Presidente devido a um artigo da Constituição herdada da junta militar, que proíbe o acesso ao cargo para quem tenha filhos de nacionalidade estrangeira - como Aung San Suu Kyi, que tem dois filhos britânicos - a "Dama de Rangum", figura dominante da oposição ao regime dos generais, vai liderar um novo "superministério", que inclui os Negócios Estrangeiros.

Suu Kyi tomou posse, tal como os restantes membros do governo, depois de Htin Kyaw. A prémio Nobel da Paz, de 70 anos, é a única mulher no executivo sexagenário.

Esta passagem de poder, 15 dias após a eleição de Htin Kyaw pelo parlamento, é o último ato de uma muito longa transição política, que começou depois das legislativas de 08 de novembro passado, o primeiro escrutínio livre em cerca de 25 anos e no qual os birmaneses participaram em massa.

A vitória esmagadora da Liga Nacional para a Democracia (NDL, sigla em inglês), o partido de Aung San Suu Kyi, nas eleições foi também um voto contra o governo de transição de ex-generais, responsáveis por importantes reformas em cinco anos de transição pós-junta militar, liderado pelo chefe de Estado cessante Thein Sein.

Ao mesmo tempo que saudou esta passagem como "uma nova etapa" para a democracia em Myanmar, a União Europeia lembrou, através da chefe da diplomacia dos 28, Federica Mogherini, "os numerosos desafios" ainda por enfrentar.

Este governo civil é investido quando um terço da população birmanesa vive sob o limiar da pobreza.

A NLD prometeu dar prioridade à educação e à saúde, áreas em que Myanmar é um dos piores alunos mundiais, em termos de orçamento.

"O país está pronto e ávido de mudança", considerou o analista político Khin Zaw Win, antigo preso político e atual diretor do centro de análise política Tampadipa.

O novo governo estará sobre forte pressão, nos próximos cinco anos, para empreender reformas rápidas e visíveis e será tentado a "não partir do zero", acrescentou.

Uma outra grande questão que espera a equipa de Aung San Suu Kyi é a dos conflitos étnicos. Em várias regiões fronteiriças, grupos rebeldes exigem mais autonomia e confrontam-se com as forças governamentais.

No oeste do país, milhares de muçulmanos 'rohingyas' continuam a viver deslocados em campos.

O novo governo terá também que manobrar para gerir as relações com o exército birmanês, que se mantém politicamente muito poderoso, com um quarto dos lugares no parlamento a pertencer a militares não-eleitos.

No executivo, os militares ocupam as pastas do Interior, Defesa e Fronteiras. O poderoso chefe das forças armadas, o general Min Aung Hlaing, deslocou-se ao parlamento para assistir à cerimónia de posse de Htin Kyaw.

Lusa

  • Manuel Pinho suspeito de quatro offshores e pelo menos 1M€ em luvas do GES
    1:31
  • Fim de semana de chuva, trovoada e granizo
    0:50

    País

    O mau tempo está de regresso este fim de semana, sobretudo no sul do continente e na Madeira. Esta manhã, Faro acordou com uma chuva intensa de granizo, com quedas de árvores e pequenas inundações.

  • As imagens do granizo que caiu no Algarve
    0:47

    País

    Faro acordou hoje com uma intensa queda de granizo. Pedras de gelo, com cerca de meio centímetro de diâmetro, em especial entre as 06:30 e as 07:00 da manhã. Segundo o IPMA tratou-se de "uma linha de instabilidade" que foi subindo a norte, para os distritos de Beja e Setúbal, mas com menos intensidade" e que provocaram inundações pontuais na via publica e em garagens e algumas quedas de árvore.

  • Alunos trocam aulas pelas ruas contra armas nos EUA
    2:43
  • Rainha Isabel II faz hoje 92 anos
    2:36
  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59