sicnot

Perfil

Mundo

Saida do PMDB decretou o fim de Dilma, diz oposição

Líderes da oposição brasileira afirmaram que a decisão do Partido do Movimento Democrático Brasileiro de sair da coligação de governo sinaliza que o processo de destituição (impeachment) da Presidente Dilma Rousseff será aprovado.

© Ueslei Marcelino / Reuters

O deputado Pauderney Avelino, do partido Democratas, enfatizou este ponto ao sublinhar que "o Governo está cada vez mais fragilizado e a saída do PMDB representa o seu fim".

Avelino também frisou que Dilma Rousseff perdeu "todas as condições de governar" e, diante deste facto, vai ser difícil impedir a saída de outros partidos da coligação aliada.

"Qualquer barganha que o governo possa utilizar nesta fase final não surtirá efeito", sustentou.

O Deputado Antonio Imbassahy, líder do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) na Câmara, sigla que faz a oposição mais direta ao Partido dos Trabalhadores (PT) no Brasil, também comentou que a decisão reforça o processo de destituição.

"O Governo estava em agonia e perde o principal parceiro que dá sustentação a ele", declarou.

Na página oficial do partido Solidariedade, um comunicado também apresenta declarações do deputado Paulinho da Força sobre esta nova conjuntura.

"Agora não tem jeito, o impeachment é inevitável. Não é justo e democrático os presidentes dos partidos segurarem seus deputados e os obrigarem a votar contra a vontade dos brasileiros. Devemos satisfação para nossos eleitores. A saída do PMDB e, consequentemente, de outros partidos, é o tiro de misericórdia", declarou.

Na terça-feira à tarde, membros do diretório nacional do PMDB anunciaram a saída do partido da coligação de governo em uma decisão tomada por aclamação.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.