sicnot

Perfil

Mundo

Bashar al-Assad disposto a presidenciais antecipadas

O presidente sírio, Bashar al-Assad, disse que está disposto a realizar eleições presidenciais antecipadas se for essa a vontade do povo sírio, numa entrevista à agência russa Ria-Novosti divulgada hoje em Damasco.

Presidente sírio Bashar al-Assad

Presidente sírio Bashar al-Assad

© Sana Sana / Reuters

"Há uma vontade popular para realizar eleições presidenciais antecipadas? Se há, não tenho problema com isso", disse, segundo uma transcrição em árabe divulgada por Damasco e citada pela agência France Presse.

Bashar al-Assad foi reconduzido no cargo em 2014, numas presidenciais realizadas já em plena guerra civil e limitadas às partes do território então controladas pelo regime. O atual mandato, de sete anos, termina em 2021.

No entanto, o plano internacional para uma solução política para o conflito prevê eleições legislativas e presidenciais dentro de 18 meses e a formação de um órgão de transição dentro de 6 meses para a redação de uma nova Constituição.

O papel que Bashar al-Assad pode desempenhar nas novas instituições continua a ser o principal desacordo entre o regime e a oposição.

Na entrevista, Assad afirma que todos os cidadãos sírios poderão participar na eleição: "Isso incluiria todos os sírios, estejam eles na Síria ou fora (...) Cada sírio, esteja onde estiver, tem o direito", disse.

A agência russa divulgou na quarta-feira, em Moscovo, uma entrevista ao presidente sírio, na qual, segundo excertos das agências internacionais, Assad defendeu que o governo de transição deve incluir figuras do regime e da oposição, o que foi imediatamente rejeitado pela oposição.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.