sicnot

Perfil

Mundo

Enfermeira italiana terá matado doentes com dose elevada de anticoagulante

Uma enfermeira foi detida hoje em Piombino, Itália, suspeita de ter matado 13 pacientes. A mulher terá dado aos doentes doses elevadas de um medicamento anticoagulante, provocando hemorragias.

O capitão da polícia italiana Gennaro Riccardi mostra um frasco com heparina, substância que terá sido usada pela enfermeira.

O capitão da polícia italiana Gennaro Riccardi mostra um frasco com heparina, substância que terá sido usada pela enfermeira.

FRANCO SILVI/EPA

Os doentes, entre os 61 e os 88 anos, foram alegadamente mortos pela enfermeira em 2014 e 2015 no hospital da cidade de Piombino, na Toscana, centro de Itália.

A enfermeira é acusada de ter dado às vítimas até 10 vezes a dose recomendada do medicamento, utilizado para prevenir a coagulação sanguínea, incluindo em casos em que não tinha sido receitado aos doentes.

O resultado, segundo a polícia, foi provocar várias e irreversíveis hemorragias internas que mataram as alegadas vítimas.

A profissional de saúde foi detida após uma avaliação de todas as recentes mortes suspeitas no hospital a ter identificado como a única funcionária presente em todos os casos.

A polícia disse ainda que a mulher tinha recebido tratamento para uma depressão.

Com Lusa

  • Mais de 1600 fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado fez mais de 1600 ações de fiscalização a Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público. Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.