sicnot

Perfil

Mundo

Enfermeira italiana terá matado doentes com dose elevada de anticoagulante

Uma enfermeira foi detida hoje em Piombino, Itália, suspeita de ter matado 13 pacientes. A mulher terá dado aos doentes doses elevadas de um medicamento anticoagulante, provocando hemorragias.

O capitão da polícia italiana Gennaro Riccardi mostra um frasco com heparina, substância que terá sido usada pela enfermeira.

O capitão da polícia italiana Gennaro Riccardi mostra um frasco com heparina, substância que terá sido usada pela enfermeira.

FRANCO SILVI/EPA

Os doentes, entre os 61 e os 88 anos, foram alegadamente mortos pela enfermeira em 2014 e 2015 no hospital da cidade de Piombino, na Toscana, centro de Itália.

A enfermeira é acusada de ter dado às vítimas até 10 vezes a dose recomendada do medicamento, utilizado para prevenir a coagulação sanguínea, incluindo em casos em que não tinha sido receitado aos doentes.

O resultado, segundo a polícia, foi provocar várias e irreversíveis hemorragias internas que mataram as alegadas vítimas.

A profissional de saúde foi detida após uma avaliação de todas as recentes mortes suspeitas no hospital a ter identificado como a única funcionária presente em todos os casos.

A polícia disse ainda que a mulher tinha recebido tratamento para uma depressão.

Com Lusa

  • Avião cruza-se com drone a 900 metros de altitude
    2:01
  • Naufrágio na Colômbia registado em vídeo
    2:11
  • PSP descentraliza a regularização de armas
    3:55

    País

    A PSP de Bragança percorreu os 12 concelhos do distrito ao encontro dos proprietários de armas com vista à sua regularização. A iniciativa, que pretende evitar a deslocação das pessoas à capital de distrito, teve uma forte adesão.

  • O último adeus a Miguel Beleza

    País

    O velório do economista e ex-ministro das Finanças realiza-se esta segunda-feira na Igreja do Campo Grande, em Lisboa, a partir das 18h00.

  • Trump quebra tradição da Casa Branca com 20 anos

    Mundo

    Donald Trump decidiu não fazer um jantar de celebração pelo fim do Ramadão, o mês em que os muçulmanos cumprem jejum entre o nascer e o pôr do sol. O Presidente dos Estados Unidos quebrou a tradição da Casa Branca, pela primeira vez em 20 anos.