sicnot

Perfil

Mundo

Ministra francesa compara mulheres que usam véus a negros que apoiam escravatura

Uma ministra francesa comparou na quarta-feira as mulheres que usam véu aos "negros que apoiavam a escravatura" numa reação contra a crescente tendência dos criadores para fazerem roupa orientada para as islâmicas.

Ministra da Família francesa, Laurence Rossignol

Ministra da Família francesa, Laurence Rossignol

© Charles Platiau / Reuters


A ministra da Família francesa, Laurence Rossignol, indignou-se nas redes sociais, juntando-se ao cofundador da Yves Saint Laurent, Pierre Bergé, que atacou os estilistas que estão a criar vestuário islâmico, acusando-os de participarem na "escravidão das mulheres".

Várias marcas do mundo da moda apresentaram este ano coleções especificamente dirigidas ao mercado muçulmano.

Laurence Rossignol, que também é responsável pela pasta dos direitos das mulheres, já explicou que se estava a referir a um panfleto abolicionista do filósofo Montesquieu, quando dez aos seus controversos comentários.

À agência noticiosa AFP, a ministra admitiu que cometeu um erro de linguagem.

"Mas não retiro uma palavra", acrescentou.

"Os criadores não deviam estar envolvidos com a moda islâmica. Os estilistas devem existir para tornar a mulher mais bonita, para lhes dar mais liberdade, não para colaborar com a ditadura imposta que obriga as mulheres a esconderem-se e a viverem escondidas", salientou, por seu lado, Pierre Bergé.

Enquanto a França bane a cobertura da cara com véus, algumas das suas maiores casas de moda criam roupa específica para mulheres islâmicas.

Lusa

  • Curiosidades sobre o Mundial da Rússia
    3:08
  • Inocência e talento marcaram o 9.º dia de Mundial
    0:56
  • Ronaldo no País dos Sovietes: Algumas curiosidades
    1:54
  • O choro intenso de Neymar explicado pelo próprio
    0:51
  • A queda aparatosa do selecionador do Brasil
    0:05
  • Dia de limpezas em Chaves após violenta tempestade
    2:44
  • Athanasia, uma mulher sem medo das alturas
    0:35

    Mundo

    É grega, chama-se Athanasia Athineau, tem 29 anos e pertence à unidade de forças especiais da Grécia. O salto que podemos ver é de 10 mil pés, mas Athanasia faz também saltos de 30 mil. Neste caso, caíu a uma velocidade de 250 quilómetros por hora antes de abrir o pára-quedas.

  • Talheres de Hitler vendidos por 14 mil euros

    Mundo

    Um conjunto de duas facas, três colheres e três garfos de prata, que pertencia a Adolf Hitler, foi vendido em Dorset, Inglaterra, pelo valor de 12.500 libras (aproximadamente 14.200 euros). O serviço de talheres foi criado no âmbito das celebrações do 50.º aniversário do ditador nazi.

    SIC