sicnot

Perfil

Mundo

Tribunal para a ex-Jugoslávia absolve ultranacionalista sérvio Vojislav Seselj

O Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia (TPI-J) absolveu hoje o ultranacionalista sérvio Vojislav Seselj, acusado de nove crimes de guerra e crimes contra a humanidade cometidos nas guerras dos Balcãs dos anos 1990.

© Marko Djurica / Reuters

Ao anunciar o inesperado veredicto, pronunciado na ausência do acusado, o juiz Jean-Claude Antonetti afirmou que a acusação não conseguiu provar as acusações. "Vojislav Seselj é agora um homem livre", disse.

Seselj, 61 anos, era acusado de nove crimes de guerra e crimes contra a humanidade, cometidos entre 1991 e 1994 na Bósnia, Croácia e Sérvia com o objetivo de unir "todos os territórios sérvios" numa "Grande Sérvia".

Os procuradores do tribunal acusaram-no de responsabilidade no assassínio de muitos croatas, muçulmanos e outros civis não-sérvios e da deportação de "dezenas de milhares" de vastas zonas da Bósnia-Herzegovina, Croácia e Sérvia, enquanto líder de uma força paramilitar conhecida como "os homens de Seselj".

O coletivo de juízes, que aprovou o veredicto por maioria, considerou no entanto que a acusação continha muitas "confusões" e "ambiguidades", não conseguindo clarificar o contexto em que os factos ocorreram.

A acusação, "na melhor das hipóteses, apresentou uma interpretação que oculta a forma como os acontecimentos decorreram e, na pior, a distorce em relação às provas apresentadas ao tribunal".

Os juízes concordaram no entanto que durante os conflitos que levaram ao desmembramento da Jugoslávia "Seselj era impulsionado por uma inflamada ambição política para criar a Grande Sérvia", mas consideraram que esse era, "por princípio, um plano político e não um plano criminoso".

"Muitas das provas demonstram que a colaboração [de Seselj] visava defender os sérvios e os territórios tradicionais sérvios, ou preservar a Jugoslávia, mas não cometer os alegados crimes", concluíram.

E, segundo os juízes, Seselj não tinha qualquer "responsabilidade hierárquica" sobre os seus homens quando estes foram integrados em unidades regulares do exército sérvio.

Vojislav Seselj, fundador do Partido Radical Sérvio, entregou-se voluntariamente ao TPI-J em 2003. Em 2014 foi autorizado a regressar a Belgrado para tratar um cancro do cólon e, desde então, recusou regressar voluntariamente a Haia.

"Não me arrependo uma única vez da luta contra o tribunal anti sérvio", disse recentemente numa entrevista.

Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59