sicnot

Perfil

Mundo

Morreu o ex-MNE alemão Hans-Dietrich Genscher

O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros alemão Hans-Dietrich Genscher, que teve um papel determinante na reunificação da Alemanha, morreu na quinta-feira à noite, com 89 anos, anunciou hoje o seu gabinete.

Wx-MNE alemão Hans-Dietrich Genscher

Wx-MNE alemão Hans-Dietrich Genscher

© Ralph Orlowski / Reuters


Antigo responsável do Partido Liberal e chefe da diplomacia durante quase 20 anos morreu de paragem cardíaca, "rodeado pela família", na sua residência, em Wachtberg-Pech (oeste), precisou o gabinete num comunicado.

Informado da notícia durante uma conferência de imprensa, o porta-voz do governo de Angela Merkel, Stephen Seibert, disse sentir-se "demasiado pequeno" perante esse "grande europeu e grande alemão", que "influenciou como poucos a história da Alemanha".

Ao longo dos 18 anos em que dirigiu o Ministério dos Negócios Estrangeiros (1974-1992), Hans-Dietrich Genscher multiplicou esforços para aplicar a "Ostpolitik", a política de aproximação à Europa de Leste comunista, recusando diabolizar a União Soviética e negociando para, quando possível, atenuar a Guerra Fria e a corrida ao armamento.

Reconhecendo muito cedo a oportunidade que a Perestroika soviética representava, anunciou a 30 de setembro de 1989, em Praga, que as autoridades checas permitiriam a centenas de refugiados da Alemanha de Leste (RDA) comunista chegar à Alemanha ocidental, o que marcou uma primeira brecha na "cortina de ferro".

O apogeu da sua carreira chegou pouco depois, em setembro de 1990, com o tratado dos "Dois mais Quatro" que libertou a Alemanha da tutela dos Estados Unidos, União Soviética, França e Reino Unido imposta desde o final da II Guerra Mundial. Quinze dias depois da assinatura desse tratado, a Alemanha foi reunificada.

Em 2010, numa entrevista a correspondentes estrangeiros acreditados em Berlim, o decano da política externa alemã insurgiu-se contra afirmações de que a Alemanha, embora já não dividida por um muro, continuava a viver com muros na cabeça dos cidadãos.

"Os jovens no leste sabem que os seus pais e avós têm um passado dividido, mas o futuro é um futuro comum", afirmou.

"Claro que ainda há muros em algumas cabeças, antigamente também falávamos de cabeças de betão, mas o sentimento é bem diferente", acrescentou.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.