sicnot

Perfil

Mundo

Alto dirigente da Al-Qaida morto na Síria após bombardeamento

Um destacado dirigente do grupo terrorista Al-Qaida na Síria, Abu Firas al Suri, morreu hoje num bombardeamento aéreo juntamente com o seu filho e outros 22 combatentes da Frente Al Nusra.

Hussein Malla

Rami Abderrahman, presidente do Observatório Sírio dos Direitos Humanos, uma organização não-governamental, disse à agência Efe que o porta-voz da Frente Al Nusra, da Al-Qaida na Síria, morreu na sequência de um ataque aéreo realizado na localidade de Kafar Yalis, a quatro quilómetros a norte da cidade de Idleb.

O responsável pela ONG não pôde, no entanto, precisar a nacionalidade dos aviões que efetuaram o ataque em que morreu o dirigente do grupo terrorista Al-Qaida Al Nusra, que era um veterano da guerra no Afeganistão.

Os combatentes mortos pertenciam todos à Frente Al Nusra, filial da Al-Qaida em território sírio e do grupo Yund al Aqsa.

A ONG, que tem sede em Londres e que conta com uma rede de ativistas na Síria, esclareceu em comunicado que os aviões poderiam ser do regime sírio ou do exército russo, aliado do governo de Damasco e que iniciou as operações aéreas no país árabe a 30 de setembro passado.

O comunicado adverte para o facto de o número de mortos ser ainda preliminar e lembra que pode aumentar uma vez que no ataque vários jihadistas ficaram gravemente feridos.

O comunicado acrescenta também que os ataques foram dirigidos contra uma sede do Yund al Aqsa e de outras posições deste grupo e da Frente al Nusra no norte da província de Idleb.

Os jihadistas e os seus aliados tomaram a cidade de Idleb no dia 28 de março passado, passando a ser a segunda capital da Síria que não é controlada pelas forças do presidente Bachar al Assad, depois de Al Raga.

O grupo Yund al Aqsa é uma organização extremista de tendência salafista e jihadista que foi criada na Síria em 2014 e que luta ombro a ombro com os combatentes do Al Nusra.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • CDS avança com moção de censura ao Governo

    País

    A líder do CDS anunciou hoje que o partido vai apresentar uma moção de censura ao Governo, na sequência dos incêndios que fizeram 37 mortos desde domingo, quatro meses depois da tragédia de Pedrógão Grande.

    Em atualização

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • Há uma semana que as florestas ardem na Califórnia
    1:34