sicnot

Perfil

Mundo

Alto dirigente da Al-Qaida morto na Síria após bombardeamento

Um destacado dirigente do grupo terrorista Al-Qaida na Síria, Abu Firas al Suri, morreu hoje num bombardeamento aéreo juntamente com o seu filho e outros 22 combatentes da Frente Al Nusra.

Hussein Malla

Rami Abderrahman, presidente do Observatório Sírio dos Direitos Humanos, uma organização não-governamental, disse à agência Efe que o porta-voz da Frente Al Nusra, da Al-Qaida na Síria, morreu na sequência de um ataque aéreo realizado na localidade de Kafar Yalis, a quatro quilómetros a norte da cidade de Idleb.

O responsável pela ONG não pôde, no entanto, precisar a nacionalidade dos aviões que efetuaram o ataque em que morreu o dirigente do grupo terrorista Al-Qaida Al Nusra, que era um veterano da guerra no Afeganistão.

Os combatentes mortos pertenciam todos à Frente Al Nusra, filial da Al-Qaida em território sírio e do grupo Yund al Aqsa.

A ONG, que tem sede em Londres e que conta com uma rede de ativistas na Síria, esclareceu em comunicado que os aviões poderiam ser do regime sírio ou do exército russo, aliado do governo de Damasco e que iniciou as operações aéreas no país árabe a 30 de setembro passado.

O comunicado adverte para o facto de o número de mortos ser ainda preliminar e lembra que pode aumentar uma vez que no ataque vários jihadistas ficaram gravemente feridos.

O comunicado acrescenta também que os ataques foram dirigidos contra uma sede do Yund al Aqsa e de outras posições deste grupo e da Frente al Nusra no norte da província de Idleb.

Os jihadistas e os seus aliados tomaram a cidade de Idleb no dia 28 de março passado, passando a ser a segunda capital da Síria que não é controlada pelas forças do presidente Bachar al Assad, depois de Al Raga.

O grupo Yund al Aqsa é uma organização extremista de tendência salafista e jihadista que foi criada na Síria em 2014 e que luta ombro a ombro com os combatentes do Al Nusra.

Lusa

  • Governo quer aumentar fiscalização a baixas fraudulentas
    1:10

    País

    O Governo quer criar uma bolsa de médicos para fiscalizar quem recebe o subsídio por doença. A intenção foi manifestada à TSF pela secretária de Estado da Segurança Social. Em 2016 foram detetados mais de 56 mil trabalhadores com baixa médica que afinal estavam aptos para trabalhar.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.