sicnot

Perfil

Mundo

Google suprime uma aplicação dos talibãs afegãos para telemóveis

O Google retirou uma aplicação dos talibãs para telemóveis da sua loja na Internet, anunciou hoje o grupo tecnológico, três dias após a colocação desta aplicação destinada a reforçar a reforçar a presença do movimento islamita na Internet.

© Arnd Wiegmann / Reuters

O "departamento tecnológico" dos talibãs, que lançou esta aplicação na sexta-feira em língua pashtun sob o designação de Alemarah, trabalha igualmente numa versão em língua farsi, precisou na sexta-feira à agência noticiosa France-Presse Zabihullah Mujahid, porta-voz dos talibans, que hoje esteve incontactável. Em comunicado, o Google confirmou ter retirado o programa.

Esta campanha para se alargar na rede, revelada pelo SITE Intelligence Group, especialista na vigilância de páginas eletrónicas islamitas, destina-se reforçar a presença desde movimento, que já dispõe de uma página na Internet em cinco línguas, incluindo o inglês.

Os talibãs organizam regularmente atentados e ataques contra as forças de segurança no Afeganistão.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41