sicnot

Perfil

Mundo

Kremlin diz que Putin e a Rússia são alvos da investigação "Panama Papers"

A presidência russa afirmou hoje que a investigação internacional sobre paraísos fiscais, designada "Papéis do Panamá", assenta em invenções e falsificações e visa desestabilizar a Rússia.

reuters

"Embora o presidente Putin não figure de facto [na investigação], é claro que o alvo principal é Putin, a Rússia, o nosso país, a nossa estabilidade e as próximas eleições. Trata-se de desestabilizar o país", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

O porta-voz afirmou que não há "nada de concreto ou de novo" sobre o presidente russo, Vladimir Putin, atribuindo as referências ao seu nome como consequência de uma "Putinofobia": "O nível de Putinofobia chegou a um nível tal que é impossível dizer qualquer coisa positiva sobre a Rússia 'a priori'", disse.

Peskov disse ainda que a investigação foi realizada por ex-membros da CIA ou do Departamento de Estado norte-americano: "Conhecemos esta denominada comunidade jornalística", disse, referindo-se ao Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação, que divulgou os "Papéis do Panamá". "Há muitos jornalistas cuja profissão principal é improvável que seja o jornalismo, muitos antigos membros do Departamento de Estado, da CIA e de outros serviços especiais".

O porta-voz recusou comentar as informações contidas nos documentos, afirmando haver "falta de pormenores" e serem "baseadas em alegações e especulações": "Com base no que disse, não queremos responder e não vamos responder".

A investigação, já considerada a maior fuga de informação de sempre, com 11,5 milhões de documentos, lista bens registados em paraísos fiscais de centenas de pessoas, entre as quais 140 dirigentes ou ex-dirigentes políticos.

Na lista figuram vários colaboradores e amigos do presidente russo, mas o nome de Putin não consta da lista.

Os documentos, sobre cerca de 214.000 empresas 'offshore', são provenientes da empresa Mossack Fonseca, uma sociedade de advogados com sede no Panamá e escritórios em mais de 35 países

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.