sicnot

Perfil

Mundo

Cidadãos da UE gastam entre 21 e 31 mil milhões de euros por ano em drogas ilícitas

Os cidadãos da União Europeia devem gastar entre 21 e 31 mil milhões de euros anualmente em drogas ilícitas, segundo um relatório do Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (EMCDDA) e a Europol (Serviço Europeu de Polícia).

(Arquivo)

(Arquivo)

© Steve Dipaola / Reuters

O documento conjunto, apresentado hoje em Bruxelas, mostrou como o mercado continua a ser um dos mais rentáveis para grupos de crime organizado e que os impactos se estendem a "outros tipos de atividades criminais e ao terrorismo" e a pressões sobre instituições governamentais.

Num comentário ao relatório, Alexis Goosdeel, do EMCDDA, e Rob Wainwight, Europol, notaram que o mercado continua a ser uma das principais ameaças para a segurança da UE e que esta é uma área impulsionada por "dois motivos simples: lucro e poder".

"A capacidade de minar esses motivos é fundamental se quisermos ter qualquer impacto sobre a criminalidade relacionada com a droga e reduzir os impactos mais amplos sobre a sociedade", concluíram os diretores das instituições.

O relatório refere que a cannabis é a droga mais usada na Europa e que terá um peso de 38% no mercado de drogas ilícitas, traduzindo entre 8,4 mil milhões e 12,9 mil milhões de euros anualmente.

Em 2015, a cannabis deverá ter sido usada por cerca de 22 milhões de adultos na UE, com aproximadamente 1% dos europeus a usarem este produto na base diária, "aumentando o risco de problemas de saúde e sociais", segundo o texto.

O mercado continua dominado pela erva cannabis, mas há um aumento da resina de cannabis oriunda de Marrocos e que poderá estar a ser traficada a par de outros bens e de pessoas.

A segunda droga mais vendida é a heroína, devendo valer cerca de 6,8 mil milhões de euros, segundo o texto, que refere que, "após um período de declínio, há sinais recentes de um aumento da disponibilidade" e que continua, "no geral, elevada" a produção de ópio no Afeganistão.

Novas rotas estão a emergir em África, no Cáucaso do Sul, na Síria e no Iraque, enquanto a rota dos Balcãs continua a ser um corredor fundamental para a entrada de heroína na UE, indicou o documento, notando uma diversificação do mercado, através de medicamentos de prescrição e de novos opiáceos sintéticos.

Por seu lado, a cocaína deverá ter um mercado anual estimado de, pelo menos, 5,7 mil milhões de euros e é usada sobretudo na Europa ocidental e do Sul, num consumo que se tem mantido estável, apesar de indícios de um aumento de disponibilidade.

"O cultivo de coca parece estar a aumentar depois de um período de declínio, mas é incerta a quantidade produzida de cocaína", lê-se no documento, que indica como pontos chave de partida do tráfico a Colômbia, Brasil e Venezuela.

As anfetaminas devem valer, por ano, entre 1.2 mil milhões e 2,5 mil milhões de euros, enquanto se estima uma média de 0.67 mil milhões de euros em relação a MDMA/ecstasy.

O texto indicou a Holanda e a Bélgica como locais de produção de MDMA e anfetaminas, enquanto as metanfetaminas parecerem ter sobretudo origem na República Checa.

No relatório foi ainda notado o número elevado de novas substâncias psicoativas que são vendidas como substitutas legais das drogas ilícitas.

"100 novas substâncias foram registadas em 2015 e o sistema de alerta da UE está a monitorizar mais de 560", acrescenta o documento.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC