sicnot

Perfil

Mundo

Cidadãos da UE gastam entre 21 e 31 mil milhões de euros por ano em drogas ilícitas

Os cidadãos da União Europeia devem gastar entre 21 e 31 mil milhões de euros anualmente em drogas ilícitas, segundo um relatório do Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (EMCDDA) e a Europol (Serviço Europeu de Polícia).

(Arquivo)

(Arquivo)

© Steve Dipaola / Reuters

O documento conjunto, apresentado hoje em Bruxelas, mostrou como o mercado continua a ser um dos mais rentáveis para grupos de crime organizado e que os impactos se estendem a "outros tipos de atividades criminais e ao terrorismo" e a pressões sobre instituições governamentais.

Num comentário ao relatório, Alexis Goosdeel, do EMCDDA, e Rob Wainwight, Europol, notaram que o mercado continua a ser uma das principais ameaças para a segurança da UE e que esta é uma área impulsionada por "dois motivos simples: lucro e poder".

"A capacidade de minar esses motivos é fundamental se quisermos ter qualquer impacto sobre a criminalidade relacionada com a droga e reduzir os impactos mais amplos sobre a sociedade", concluíram os diretores das instituições.

O relatório refere que a cannabis é a droga mais usada na Europa e que terá um peso de 38% no mercado de drogas ilícitas, traduzindo entre 8,4 mil milhões e 12,9 mil milhões de euros anualmente.

Em 2015, a cannabis deverá ter sido usada por cerca de 22 milhões de adultos na UE, com aproximadamente 1% dos europeus a usarem este produto na base diária, "aumentando o risco de problemas de saúde e sociais", segundo o texto.

O mercado continua dominado pela erva cannabis, mas há um aumento da resina de cannabis oriunda de Marrocos e que poderá estar a ser traficada a par de outros bens e de pessoas.

A segunda droga mais vendida é a heroína, devendo valer cerca de 6,8 mil milhões de euros, segundo o texto, que refere que, "após um período de declínio, há sinais recentes de um aumento da disponibilidade" e que continua, "no geral, elevada" a produção de ópio no Afeganistão.

Novas rotas estão a emergir em África, no Cáucaso do Sul, na Síria e no Iraque, enquanto a rota dos Balcãs continua a ser um corredor fundamental para a entrada de heroína na UE, indicou o documento, notando uma diversificação do mercado, através de medicamentos de prescrição e de novos opiáceos sintéticos.

Por seu lado, a cocaína deverá ter um mercado anual estimado de, pelo menos, 5,7 mil milhões de euros e é usada sobretudo na Europa ocidental e do Sul, num consumo que se tem mantido estável, apesar de indícios de um aumento de disponibilidade.

"O cultivo de coca parece estar a aumentar depois de um período de declínio, mas é incerta a quantidade produzida de cocaína", lê-se no documento, que indica como pontos chave de partida do tráfico a Colômbia, Brasil e Venezuela.

As anfetaminas devem valer, por ano, entre 1.2 mil milhões e 2,5 mil milhões de euros, enquanto se estima uma média de 0.67 mil milhões de euros em relação a MDMA/ecstasy.

O texto indicou a Holanda e a Bélgica como locais de produção de MDMA e anfetaminas, enquanto as metanfetaminas parecerem ter sobretudo origem na República Checa.

No relatório foi ainda notado o número elevado de novas substâncias psicoativas que são vendidas como substitutas legais das drogas ilícitas.

"100 novas substâncias foram registadas em 2015 e o sistema de alerta da UE está a monitorizar mais de 560", acrescenta o documento.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.