sicnot

Perfil

Mundo

Emergências humanitárias no Médio Oriente e Sudão do Sul são as que mais preocupam OMS

As emergências humanitárias que atualmente atingem Síria, Iraque, Iémen e Sudão do Sul são as que mais preocupam a Organização Mundial de Saúde (OMS), disse hoje o respetivo diretor de Gestão de Emergências e Resposta Humanitária, Rick Brennan.

Sudão do Sul. (Arquivo/Reuters)

Sudão do Sul. (Arquivo/Reuters)

© Mohamed Nureldin Abdallah / R

"Consideramos que estas emergências são as mais importantes, pelo número de pessoas afetadas e o incrível efeito devastados dos conflitos na saúde. Além disso, são conflitos que não parece irem resolver-se em breve", explicou Brennan.

Segundo cálculos da organização, nestes quatro países há mais de 32,5 milhões de pessoas que precisam de assistência médica e sanitária, o que representa quase metade dos 79 milhões de pessoas que carecem desse tipo de ajuda em todo o mundo, este ano.

A OMS estima que para suprir estas necessidades em 2016 é preciso um financiamento total de 2.200 milhões de dólares em ajuda, para o qual espera contribuir com mais de um quarto.

Só na Síria, a OMS procura ajuda para 11,5 milhões de pessoas que necessitam de ajuda sanitária, incluindo tratamentos para os traumas e tratamentos de saúde mental.

A organização procura igualmente ajuda para vacinas, medicamentos e material médico para os cinco milhões de refugiados que se encontram nos países vizinhos.

Além da Síria, Iraque, Iémen e Sudão do Sul, Brennan referiu-se à República Centro-Africana e à Etiópia como "zonas que não podemos deixar de vigiar".

O caso da Etiópia é especialmente preocupante para a OMS, já que o país está a sofrer os efeitos adversos do fenómeno climático 'El Niño', que provocou uma das maiores secas em décadas no país e deixou quase meio milhão de crianças em estado de subnutrição severa.

Outras emergências, como a do Zika na América Latina e a epidemia de febre amarela em Angola, somam-se aos 30 países para os quais a OMS pediu ajuda internacional, figurando entre eles Guatemala, Honduras, Somália, Palestina e Ucrânia.

O principal problema que a OMS enfrenta para atender a estas emergências são as doações, porque, segundo Brennan, "o nível das necessidades aumentou de modo absolutamente mais rápido do que o das doações", nos últimos anos.

O diretor explicou que apesar de a OMS receber maior quantidade de doações que outras organizações internacionais (conseguem cobrir entre 50% e 60% do solicitado), 2015 foi um ano especialmente difícil, em que só conseguiu obter cerca de 37% das verbas requeridas.

De acordo com o responsável, os doadores aumentaram as quantidades doadas ano após ano, mas a dita ajuda "não acompanhou o ritmo" das necessidades.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.