sicnot

Perfil

Mundo

Separatistas do Nagorno-Karabakh e Azerbaijão anunciam cessar-fogo

As autoridades separatistas arménias da região do Nagorno-Karabakh e as forças do Azerbaijão anunciaram hoje ter concluído um acordo de cessar-fogo, depois de quatro dias de violentos confrontos que fizeram pelo menos 64 mortos.

reuters

"Um acordo de cessar-fogo foi concluído com o Azerbaijão. Demos ordem para suspender os disparos", disse um porta-voz do Ministério da Defesa da região separatista do Cáucaso citado pela agência France Presse.

O acordo foi confirmado pouco depois pelo Azerbaijão: "As ações militares foram suspensas às 12:00 locais (09:00 em Lisboa) de terça-feira", informou o Ministério da Defesa azeri num comunicado, citado pela mesma agência.

Violentos confrontos opuseram nos últimos quatro dias forças do Azerbaijão e da Arménia na região, em território azeri mas de população maioritariamente arménia.

Pelo menos 64 pessoas morreram nos confrontos, os mais violentos na região nos últimos 20 anos.

Os dois países assinaram um cessar-fogo em 1994, mas até hoje não chegaram a acordo quanto ao estatuto da região, situada numa zona estratégica, entre o Irão, a Rússia e a Turquia.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.