sicnot

Perfil

Mundo

Buracos negros gigantescos podem estar "por todo o lado"

Astrónomos "tropeçaram" num buraco negro supermassivo num canto inesperado do Universo, "o que implica que esses monstros galácticos são muito mais comuns do que se pensava", segundo um estudo divulgado hoje.

Ilustração do buraco negro com uma massa 12 mil milhões de vezes maior que a do Sol.

Ilustração do buraco negro com uma massa 12 mil milhões de vezes maior que a do Sol.

© NASA / Reuters

O gigante, com uma massa estimada de 17 bilhões de vezes maior do que o nosso Sol, foi descoberto num deserto relativo, disseram alguns astrónomos da Universidade de Berkeley, na Califórnia, à revista Nature.

"Enquanto encontrar um buraco negro gigantesco numa galáxia maciça numa área muito populosa do Universo é de se esperar, como encontrar um arranha-céus em Manhattan, parecia menos provável que eles pudessem ser encontrados em pequenas cidades do Universo", explicou a universidade.

A questão agora é, disse o coautor do estudo Chung-Pei Ma: "Esta é a ponta de um iceberg? Talvez haja muito mais buracos negros gigantescos lá fora, que não vivem em arranha-céus em Manhattan, mas num edifício alto nalgum lugar nas planícies".

Um buraco negro supermassivo pode ter uma massa de cerca de um milhão de sóis e ir até aos biliões. Os buracos negros menores, "comuns" variam entre dezenas a centenas de massas solares, adianta o estudo, que explica que "os buracos negros são regiões muito densas no espaço-tempo, com uma força gravitacional tão forte que nem a luz consegue escapar, tornando-os invisíveis".

"Formados quando estrelas massivas implodem no fim das suas vidas, os buracos negros normalmente escondem-se dormentes e sem serem detetados nos centros de galáxias", refere.

Os cientistas dizem que "os buracos podem, por vezes, ser detetados pelo seu efeito gravitacional sobre as órbitas das estrelas ao seu redor, e, ocasionalmente, pelos seus frenesins de alimentação espetaculares - beberrões de gasolina e de poeira, estrelas, às vezes inteiras, e cuspindo jatos de detritos".

O maior buraco negro supermassivo detetado até à data derrubou as escalas, com cerca de 21 bilhões de massas solares, disseram os autores do estudo.

Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.