sicnot

Perfil

Mundo

Buracos negros gigantescos podem estar "por todo o lado"

Astrónomos "tropeçaram" num buraco negro supermassivo num canto inesperado do Universo, "o que implica que esses monstros galácticos são muito mais comuns do que se pensava", segundo um estudo divulgado hoje.

Ilustração do buraco negro com uma massa 12 mil milhões de vezes maior que a do Sol.

Ilustração do buraco negro com uma massa 12 mil milhões de vezes maior que a do Sol.

© NASA / Reuters

O gigante, com uma massa estimada de 17 bilhões de vezes maior do que o nosso Sol, foi descoberto num deserto relativo, disseram alguns astrónomos da Universidade de Berkeley, na Califórnia, à revista Nature.

"Enquanto encontrar um buraco negro gigantesco numa galáxia maciça numa área muito populosa do Universo é de se esperar, como encontrar um arranha-céus em Manhattan, parecia menos provável que eles pudessem ser encontrados em pequenas cidades do Universo", explicou a universidade.

A questão agora é, disse o coautor do estudo Chung-Pei Ma: "Esta é a ponta de um iceberg? Talvez haja muito mais buracos negros gigantescos lá fora, que não vivem em arranha-céus em Manhattan, mas num edifício alto nalgum lugar nas planícies".

Um buraco negro supermassivo pode ter uma massa de cerca de um milhão de sóis e ir até aos biliões. Os buracos negros menores, "comuns" variam entre dezenas a centenas de massas solares, adianta o estudo, que explica que "os buracos negros são regiões muito densas no espaço-tempo, com uma força gravitacional tão forte que nem a luz consegue escapar, tornando-os invisíveis".

"Formados quando estrelas massivas implodem no fim das suas vidas, os buracos negros normalmente escondem-se dormentes e sem serem detetados nos centros de galáxias", refere.

Os cientistas dizem que "os buracos podem, por vezes, ser detetados pelo seu efeito gravitacional sobre as órbitas das estrelas ao seu redor, e, ocasionalmente, pelos seus frenesins de alimentação espetaculares - beberrões de gasolina e de poeira, estrelas, às vezes inteiras, e cuspindo jatos de detritos".

O maior buraco negro supermassivo detetado até à data derrubou as escalas, com cerca de 21 bilhões de massas solares, disseram os autores do estudo.

Lusa

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.