sicnot

Perfil

Mundo

Cadela que perdeu a perna no Afeganistão condecorada

Lucca estava ao serviço dos Fuzileiros dos Estados Unidos da América, quando perdeu uma perna à procura de bombas. Quatro anos depois recebeu a medalha Dickin em Londres. A pastora alemã participou em mais de 400 missões no Iraque e no Afeganistão.

Frank Augstein

Frank Augstein

Frank Augstein

PDSA / HANDOUT

DAVID TETT / HANDOUT

DAVID TETT / HANDOUT

A cadela de 12 anos descobria explosivos, protegendo assim os milhares de militares que se encontravam no terreno. Durante as suas missões, Lucca não deixou que nenhum militar morresse.

Na última patrulha no Afeganistão em 2012, Lucca descobriu uma bomba com 13 quilos e enquanto procurava por mais, acabou por ser atingida por uma segunda bomba.

Perdeu a perna esquerda, mas sobreviveu.

O dono Christopher Willingham acompanhou Lucca a Londres, onde recebeu a condecoração pela bravura demonstrada.

A medalha Dickin foi criada em 1943 e só foi atribuída a 66 animais. A condecoração é considerada o equivalente animal da Cruz Vitória e é entregue aos animais que praticam atos de bravura e/ou demonstram devoção ao dever.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Johnny Depp sugere assassínio de Trump
    0:31