sicnot

Perfil

Mundo

Combates no Darfur fazem mais de 100 mil deslocados

Mais de 100.000 pessoas viram-se obrigadas a abandonar as suas casas devido ao reinício dos combates desde janeiro deste ano na região sudanesa do Darfur, indicou hoje um responsável das forças de manutenção de paz da ONU.

© Muhammad Hamed / Reuters

"Os combates e bombardeamentos aéreos continuam" no bastião rebelde de Jebel Marra, disse o subsecretário-geral das operações de manutenção da paz, Hervé Ladsous, ao Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Cerca de 103.000 pessoas procuraram refúgio em quatro campos montados pela UNAMID, missão conjunta da ONU e da União Africana no Darfur, precisou.

Ladsous citou agências humanitárias segundo as quais pelo menos 138.000 pessoas estão em fuga desde meados de janeiro.

As restrições impostas pelo Governo sudanês às organizações humanitárias e à missão UNAMID tornaram mais difícil a precisão na avaliação do número de deslocados devido aos recentes combates, acrescentou.

Jebel Marra situa-se no coração da região do Darfur e é um bastião do rebelde Exército de Libertação do Sudão (SLA-AW), comandado por Abdulwahid Nur.

O embaixador do Sudão na ONU, Omar Dahab Fadl, contestou os relatos de movimentações de civis em grande escala, afirmando que "uma grande parte" das pessoas deslocadas conseguiram regressar às suas aldeias no Darfur e estão a cultivar a terra.

"Estão em curso preparativos para o regresso de 100.000 IDP (sigla inglesa que significa Pessoas Deslocadas Internamente) às respetivas aldeias no leste e no ocidente do Darfur", disse o diplomata sudanês ao Conselho de Segurança.

O enviado de Cartum insistiu em que o exército do país está a responder a ataques do SLA-AW e conseguiu restaurar a segurança na região, com as estradas agora abertas aos civis.

"Pela primeira vez em 13 anos, os alunos do ensino básico sentaram-se a fazer exames gerais; deixaram de ser pagas quotizações aos 'hooligans'. Diga-me de que forma é que isto colide com os objetivos da ONU", declarou.

O chefe das operações de manutenção de paz da ONU apelou ao Governo sudanês e aos rebeldes para pararem imediatamente os combates em Jebel Marra e encetarem negociações de paz para pôr fim ao conflito.

O embaixador britânico nas Nações Unidas, Matthew Rycroft, expressou preocupação com a continuação da violência em Jebel Marra e disse que o acesso humanitário ao centro do Darfur se tinha tornado "ainda mais difícil" em resultado disso.

"Pedimos a todas as partes que deem à UNAMID a cooperação de que esta precisa para fazer o seu trabalho", disse.

O Darfur mergulhou na guerra em 2003, quando rebeldes da minoria étnica se revoltaram, queixando-se de que a região estava a ser económica e politicamente marginalizada pelo Governo de Cartum, dominado por árabes.

Mais de 300.000 pessoas morreram desde 2003 no conflito do Darfur, e há cerca de 2,6 milhões de deslocados, de acordo com as Nações Unidas.

Lusa

  • Governo garante reforço das verbas para defesa da floresta até ao fim do ano
    2:37

    País

    O Governo rejeitou centenas de candidaturas com projetos para a prevenção de incêndios florestais, por falta de verbas. Perante a situação, o Bloco de Esquerda questionou o Ministério da Agricultura sobre as reprovações. Contudo, contactado pela SIC, o ministro Capoulas Santos garantiu que o programa de desenvolvimento rural está a ser reajustado e, até ao final do ano, está previsto o reforço de verbas.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • Governo quer entregar OE 2018 a 13 de outubro
    1:33
  • Casa Branca isolada devido a pacote suspeito

    Mundo

    A Casa Branca foi esta terça-feira isolada devido à presença de um pacote suspeito junto a uma das vedações que limitam o edifício governamental norte-americano. A situação já foi normalizada e o objeto retirado do local.

  • Três irmãos resgatados dos escombros em Itália
    1:24
  • Participante no incidente em Charlottesville teme pela vida
    1:43

    Mundo

    Um dos participantes nos incidentes em Charlottesville e membro de um grupo de extrema-direita supremacista teme vir a ser detido ou até morto, pelas declarações que fez durante uma reportagem da Vice News, que se tornou viral nas redes sociais.