sicnot

Perfil

Mundo

Combates no Darfur fazem mais de 100 mil deslocados

Mais de 100.000 pessoas viram-se obrigadas a abandonar as suas casas devido ao reinício dos combates desde janeiro deste ano na região sudanesa do Darfur, indicou hoje um responsável das forças de manutenção de paz da ONU.

© Muhammad Hamed / Reuters

"Os combates e bombardeamentos aéreos continuam" no bastião rebelde de Jebel Marra, disse o subsecretário-geral das operações de manutenção da paz, Hervé Ladsous, ao Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Cerca de 103.000 pessoas procuraram refúgio em quatro campos montados pela UNAMID, missão conjunta da ONU e da União Africana no Darfur, precisou.

Ladsous citou agências humanitárias segundo as quais pelo menos 138.000 pessoas estão em fuga desde meados de janeiro.

As restrições impostas pelo Governo sudanês às organizações humanitárias e à missão UNAMID tornaram mais difícil a precisão na avaliação do número de deslocados devido aos recentes combates, acrescentou.

Jebel Marra situa-se no coração da região do Darfur e é um bastião do rebelde Exército de Libertação do Sudão (SLA-AW), comandado por Abdulwahid Nur.

O embaixador do Sudão na ONU, Omar Dahab Fadl, contestou os relatos de movimentações de civis em grande escala, afirmando que "uma grande parte" das pessoas deslocadas conseguiram regressar às suas aldeias no Darfur e estão a cultivar a terra.

"Estão em curso preparativos para o regresso de 100.000 IDP (sigla inglesa que significa Pessoas Deslocadas Internamente) às respetivas aldeias no leste e no ocidente do Darfur", disse o diplomata sudanês ao Conselho de Segurança.

O enviado de Cartum insistiu em que o exército do país está a responder a ataques do SLA-AW e conseguiu restaurar a segurança na região, com as estradas agora abertas aos civis.

"Pela primeira vez em 13 anos, os alunos do ensino básico sentaram-se a fazer exames gerais; deixaram de ser pagas quotizações aos 'hooligans'. Diga-me de que forma é que isto colide com os objetivos da ONU", declarou.

O chefe das operações de manutenção de paz da ONU apelou ao Governo sudanês e aos rebeldes para pararem imediatamente os combates em Jebel Marra e encetarem negociações de paz para pôr fim ao conflito.

O embaixador britânico nas Nações Unidas, Matthew Rycroft, expressou preocupação com a continuação da violência em Jebel Marra e disse que o acesso humanitário ao centro do Darfur se tinha tornado "ainda mais difícil" em resultado disso.

"Pedimos a todas as partes que deem à UNAMID a cooperação de que esta precisa para fazer o seu trabalho", disse.

O Darfur mergulhou na guerra em 2003, quando rebeldes da minoria étnica se revoltaram, queixando-se de que a região estava a ser económica e politicamente marginalizada pelo Governo de Cartum, dominado por árabes.

Mais de 300.000 pessoas morreram desde 2003 no conflito do Darfur, e há cerca de 2,6 milhões de deslocados, de acordo com as Nações Unidas.

Lusa

  • Chamas no concelho de Torre de Moncorvo ameaçaram aldeia
    1:30

    País

    Dois incêndios no concelho de Torre de Moncorvo deram luta aos bombeiros na tarde de ontem e também durante toda a noite. As chamas estiveram muito próximas da aldeia de Cabanas de Cima, mas os bombeiros conseguiram desviar o fogo.

  • Se

    Se Jaime Marta Soares tiver razão, se a ciência e as autoridades não forem - outra vez? - manipuladas pelo poder político, se a investigação - independente - concluir que o fogo começou muito antes da trovoada, então, estamos diante de um dos maiores embustes do Portugal democrático.

    Pedro Cruz

  • A reconstrução da Nacional 236
    1:44
  • Harry admite que ninguém na família real britânica quer ser rei ou rainha

    Mundo

    O príncipe Harry admitiu que nenhum dos mais jovens membros da família real britânica quer ser rei ou rainha. Numa entrevista exclusiva à revista norte-americana Newsweek, na qual aborda temas como a morte da mãe, que perdeu com apenas 12 anos, Harry afirma que ele e o irmão estão empenhados em "modernizar a monarquia".

    SIC