sicnot

Perfil

Mundo

Podemos morrer de amor

Morrer de amor não é apenas tema de romance literário. Está cientificamente comprovado que pode acontecer devido ao desgosto com a morte do companheiro.

© POOL New / Reuters

Perder o amor de uma vida aumenta o risco de desenvolver um ritmo cardíaco irregular, problema denominado fibrilação atrial, que pode desencadear enfartes, revelam cientistas dinamarqueses. Um risco que é maior nas pessoas mais jovens e que aumenta quando a perda é inesperada.

No estudo, publicado na revista científica Open Heart, os investigadores compararam dados de 89 mil pessoas a quem foi diagnosticada fibrilação atrial, entre 1995 e 2014, com 886 mil pessoas saudáveis. Do primeiro grupo, 17.478 tinham perdido o companheiro, do segundo grupo, estavam viúvos 168.940. Concluíram que o risco de desenvolver um ritmo cardíaco irregular pela primeira vez era 41% mais elevado nas pessoas que tinham sofrido a perda do seu amor.

O risco é maior nos 8 a 14 dias após a morte, momento a partir do qual essa possibilidade começa a diminuir. Mas é também maior nas pessoas com menos de 60 anos, com duas vezes mais probabilidade de desenvolver o problema cardíaco.

"A perda da pessoa amada é um dos acontecimentos da vida mais traumáticos (...) responsável pelo aumento do risco de doenças cardíacas, mentais e que pode levar à morte", escrevem os investigadores. Um evento que desencadeia níveis de stress agudo que pode alterar o ritmo cardíaco e a produção de elementos químicos que estão associados a inflamações, explicam.

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida