sicnot

Perfil

Mundo

Ativista crítico do islamismo espancado até à morte no Bangladesh

Um estudante de Direito que publicou um comentário contra o islamismo no Facebook foi assassinado no Bangladesh, no mais recente caso de ativistas ou autores de blogues laicos mortos no país, informou hoje a polícia.

Nazimuddin Samad, de 28 anos, será o quinto ativista, autor de blogue laico, a ser assassinados por radicais islâmicos no Bangladesh.

Nazimuddin Samad, de 28 anos, será o quinto ativista, autor de blogue laico, a ser assassinados por radicais islâmicos no Bangladesh.

Dhaka Tribune

Três atacantes golpearam Nazimuddin Samad na cabeça com um machete na noite de quarta-feira. "Quando ele caiu, um deles disparou uma pistola quase à queima-roupa. Morreu no local", afirmou o vice-comissário da polícia metropolitana de Daca, Syed Nurul Islam, à agência noticiosa AFP.

As autoridades suspeitam que Nazimuddin Samad, de 28 anos, fosse perseguido pelas suas declarações contra o islamismo e por ter defendido a pena capital contra os responsáveis por crimes de guerra, nomeadamente no conflito contra o Paquistão, na luta pela independência, em 1971.

Esta será a quinta morte de ativistas, autores de blogues laicos, que terão sido assassinados por radicais islâmicos.

Até agora nenhum grupo reivindicou o ataque. Sabe-se que após os autores da agressão gritaram "Alá é grande" enquanto fugiam os três numa só motorizada.

Amigos e colegas de Samad reuniram-se na Universidade de Jagannath, em Dhaka, onde o jovem frequentava o curso de Direito e onde tinha tido uma aula pouco antes do ataque. Consternados, os companheiros de Samad inundaram a sua página de Facebook com mensagens que espelham a indignação e revolta perante este bárbaro ataque.

"Isto é muito triste, estamos a ver como conseguiremos ajudar a família neste fase tão difícil", disse à Associated Press o reitor da universidade, Nur Mohammad.

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.