sicnot

Perfil

Mundo

CPLP apoia candidatura de António Guterres a secretário-geral da ONU

A Assembleia Parlamentar da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) expressou hoje em Brasília o seu "total apoio à candidatura" do antigo primeiro-ministro português António Guterres ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas.

© Pierre Albouy / Reuters (Arquivo)

No documento final da VI Assembleia Parlamentar da CPLP, os deputados destacaram que Guterres, que ocupou até fevereiro passado o cargo de Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados sempre defendeu "os princípios e valores essenciais da paz, da solidariedade e do desenvolvimento sustentável da Humanidade".

Na moção, os deputados consideraram que a sua candidatura contribuirá para a promoção da língua portuguesa como língua de trabalho no seio da ONU, bem como dos "valores que constituem a magna carta da CPLP".

Noutra moção, os deputados expressaram a sua "solidariedade e apoio ao povo e às autoridades timorenses no processo de negociação das fronteiras marítimas" do país com a Austrália.

Os representantes dos povos dos países da CPLP pediram "urgência" na conclusão do processo, "em respeito do direito inalienável de Timor-Leste à definição das suas fronteiras, em conformidade com o direito internacional".

O Executivo de Timor-Leste fez saber recentemente que o governo australiano não está aberto a negociar sobre fronteiras marítimas, e Camberra insiste que o atual acordo de partilha de recursos no Mar de Timor cumpre as obrigações internacionais.

Os cerca de 50 deputados presentes também manifestaram "o seu apoio e solidariedade para com o povo guineense face a atual situação de crise politica que atravessam, augurando que seja encontrada com a maior brevidade possível uma solução pacífica, respeitando os princípios previstos das normas constitucionais naquele país".

A Guiné-Bissau vive uma crise política desde agosto do ano passado, quando o Presidente, José Mário Vaz, destituiu o então primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira, dando início a um confronto político com o partido do Governo.

Foram também discutidas as condições para a criação e o funcionamento do secretariado permanente da Assembleia Parlamentar da CPLP, que será fixado em Luanda.

Na reunião foi ainda abordada a questão da comissão instaladora do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da CPLP e o compromisso de construção de uma agenda para a educação, que envolva intercâmbios entre estudantes, semelhante ao programa europeu Erasmus.

Durante a reunião da Assembleia Parlamentar, foi também abordada a livre circulação de pessoas na CPLP, com o presidente da assembleia de São Tomé e Príncipe, José da Graça Diogo, a alertar que, apesar de todos os instrumentos já ratificados, persistem "restrições na aplicação prática".

O político propôs uma "profunda flexibilidade" sobre a criação de um estatuto jurídico do cidadão lusófono, semelhante ao que existe na Commonwealth e que permita a livre circulação e integração dos emigrantes de língua portuguesa nos territórios da CPLP onde residam, permitindo-lhes, inclusive, votar nesses países.

Na discussão, o deputado angolano João Pinto alertou que a CPLP é uma organização de cooperação e não de integração e que tal medida poderia pôr em causa a soberania dos Estados.

A chefe da bancada parlamentar da FRELIMO, Margarida Adamugy Talapa, concordou, frisando: "A nossa independência custou dez anos de luta".

Na sua intervenção, o presidente do parlamento timorense, Vicente da Silva Guterres, lamentou que ainda não tenha sido criada uma plataforma para promover o desenvolvimento da força económica da CPLP.

Nesse sentido, sugeriu ainda a criação de uma instituição financeira, à qual se possa recorrer, sem que se tenha de "ficar dependentes de empréstimos agiotas", que comprometem e hipotecam as futuras gerações.

O timorense defendeu ainda mais trabalho na assembleia da CPLP, frisando que esta não pode limitar-se à "realização de encontros anuais" e convidando os parlamentos a imprimirem "mais dinâmica ao funcionamento das comissões" parlamentares que devem funcionar como motor da assembleia.

Foi igualmente abordada a necessidade da diversificar a economia angolana para além do petróleo, apostando na criação no país de produtos que hoje são importados e no desenvolvimento de 'clusters' e incentivando a iniciativa privada.

O Brasil assumiu a presidência da Assembleia Parlamentar da CPLP neste encontro, que decorreu entre terça-feira e hoje em Brasília, e a que apenas faltou a delegação de Cabo Verde, devido às recentes eleições legislativas, realizadas no passado dia 20 de março.

Lusa

  • José Eduardo dos Santos há 38 anos no poder
    2:42

    Mundo

    José Eduardo dos Santos foi o segundo Presidente com mais tempo de liderança a nível mundial, quase 38 anos. Este ano, anunciou que não voltaria a concorrer às eleições, mas mantêm-se, por enquanto, como presidente do MPLA. No dia em que os angolanos foram às urnas para escolher o seu sucessor, apresentamos a vida de José Eduardo dos Santos.

  • Novo SUV da Volkswagen produzido na Autoeuropa
    1:09

    Economia

    A Volkswagen apresentou esta quarta-feira o T-ROC, o novo SUV da marca alemã, que vai chegar ao mercado em novembro. O SUV, mais pequeno do que o habitual, está a ser produzido na Autoeuropa, em Portugal.