sicnot

Perfil

Mundo

Explosões de estrelas podem ter influenciado evolução da vida na Terra

Explosões estelares que atingiram a Terra podem ter influenciado a evolução da vida no planeta, segundo dois estudos publicados na revista Nature.

O que restou da supernova G292.0+1.8.

O que restou da supernova G292.0+1.8.

Algumas deflagrações cósmicas coincidem com mudanças na temperatura e na fauna da Terra, o que sugere uma relação com as supernovas - explosões de estrelas -, indicou hoje a Universidade Nacional Australiana em comunicado.

"É uma coincidência interessante que elas correspondam a um período em que a Terra arrefeceu e passou da era do Plioceno ao Pleistoceno", afirmou Anton Wallner, professor do Departamento de Física Nuclear daquela universidade, autor de um dos estudos publicados na revista Nature.

O estudo de Anton Wallner e outro dirigido pelo alemão Dieter Breitschwerdt centram-se na análise do ferro-60, um isótopo radioativo que se produz na fase terminal da vida de uma estrela e lança não apenas matéria sólida na forma de ferro, mas também outros elementos, além de raios cósmicos.

Wallner, a par com colegas na Europa, Japão e Israel, analisou partículas de ferro-60 incorporadas a cinco quilómetros de profundidade na crosta terrestre e em sedimentos do leito oceânico do Pacífico, Atlântico e Índico.

A presença de ferro-60 nos principais oceanos levou os cientistas a assumir que existe uma distribuição uniforme global e, por isso, descartaram que se deve a um impacto isolado, como por exemplo o provocado por um meteorito.

A análise das partículas de ferro-60 indica que provêm de supernovas ocorridas entre há 3,2 e 1,7 milhões de anos, além de uma de há cerca de oito milhões de anos.

Esta última coincide com as mudanças globais ocorridas na fauna durante o Mioceno tardio.

Os cientistas sugerem que os raios cósmicos que procedem das supernovas poderão ter aumentado a quantidade de nuvens provocando uma descida da temperatura no planeta.

Segundo o estudo, as supernovas registaram-se a cerca de 300 anos-luz de distância, o que foi suficientemente visível durante o dia e a sua luminosidade compara-se à da Lua.

Contudo, o bombardeamento de raios cósmicos ao qual esteve exposta a Terra não foi suficientemente intenso em radiações para causar um dano biológico ou desencadear uma extinção em massa da vida.

Um segundo estudo de um grupo de investigadores alemães, liderados por Breitschwerdt, utilizou modelos informáticos para delinear a travessia das partículas de ferro-60 da 'Bolha Local', uma região de gás quente na Via Láctea.

Segundo os cientistas alemães, as supernovas ocorreram a distâncias de 294 a 327 anos-luz do Sol e a mais próxima -- 9,2 vezes maior do que a massa solar -- teve lugar há 2,3 milhões de anos, informou a cadeia televisiva australiana ABC.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.