sicnot

Perfil

Mundo

Família de ativista angolano em greve de fome há 28 dias receia o pior

A família do ativista angolano Nuno Dala, um dos condenados pelo tribunal de Luanda em março e em greve de fome há 28 dias, afirma que o seu estado de saúde é preocupante e já receia o pior.

(EPA/ Arquivo)

A informação foi transmitida hoje à agência Lusa por Raquel Chitekulo, mulher do ativista, também professor universitário, integrante do grupo de 17 angolanos que foram condenados a 28 de março pelos crimes de atos preparatórios de rebelião e associação de malfeitores a penas entre os dois e os oito anos e meio de prisão.

A mulher, que o visita na cadeia, classificou como bastante grave o estado de saúde de Nuno Dala, salientando que desde domingo que já nem o soro oral consegue ingerir.

Raquel Chitekulo referiu ainda que a família solicitou aos serviços prisionais para ele ser alimentado por via intravenosa, mas até à presente data o pedido não foi atendido.

"Encontrei-o mesmo mal, ele ainda está a falar, mas já não consegue manter-se muito tempo sentado, tem as mãos a tremer. Saí de lá muito triste e desmotivada", lamentou hoje a mulher do ativista, em declarações à Lusa.

Raquel Chitekulo garante que já apelou ao marido para parar com a greve de fome, mas ele está determinado a continuar até que seja resolvida a sua situação.

O protesto de Nuno Dala serve para reclamar assistência aos problemas de saúde que enfrenta e a devolução da sua documentação e cartões de crédito para movimentação das suas contas.

Desempregada há vários meses, Raquel Chitekulo disse que teve de regressar a casa dos pais, que a estão a ajudar a sustentar a filha do casal, de dez meses.

"Ele não está a fazer isso para o tirarem da cadeia, ele está a fazer isso por causa da sua família, porque ele era o responsável de casa e pela sua filha", frisou.

Na carta em que anuncia a sua greve de fome, Nuno Dala justifica a decisão com as "violações" dos seus direitos, como a impossibilidade de ter acesso às contas bancárias "para fazer face às necessidades materiais e financeiras" da família.

Diz igualmente, que ainda aguarda pelos resultados de vários exames médicos a que foi submetido no laboratório do hospital militar principal ou pela devolução de verbas e documentos apreendidos aquando da sua detenção, a 20 de junho de 2015.

"Outros exames nunca foram feitos. Por outro lado, continuo sem receber tratamento efetivo das patologias de que padeço", denunciou na altura o ativista, garantindo que apenas suspende o protesto quando as exigências "forem satisfeitas", incluindo a devolução de todos os valores eventualmente saqueados" das suas contas.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.