sicnot

Perfil

Mundo

Maduro pede ao Supremo que considere Lei da Amnistia inconstitucional

O Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, pediu hoje ao Supremo Tribunal Federal, considerado próximo do Governo, para considerar inconstitucional a Lei da Amnistia para os presos políticos, aprovada em março pelo parlamento, controlado pela oposição.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Perante milhares de apoiantes que se manifestaram para pedir que a lei fosse anulada, Nicolas Maduro afirmou que pediu "à câmara constitucional (do Supremo) que declare inconstitucional a lei da amnistia criminal".

Os chavistas consideram que a Lei da Amnistia vai "deixar impunes" violações dos Direitos Humanos.

O Presidente tinha até sexta-feira para aprovar a lei ou remetê-la para o Supremo Tribunal Federal, a mais alta autoridade judicial do país.

A lei prevê a libertação de 76 "presos políticos", bem como a amnistia de centenas de venezuelanos "perseguidos e exilados" por causa da sua oposição ao governo de Chávez, que liderou a Venezuela durante 17 anos.

A aprovação da lei da amnistia ocorreu dois anos depois da prisão de Leopoldo López, da oposição, condenado em setembro a quase 14 anos de prisão por incitar à violência durante os incidentes de 2014, que provocaram a morte a 43 pessoas, segundo dados oficiais.

Lusa

  • Curiosidades sobre o Mundial da Rússia
    3:08
  • Inocência e talento marcaram o 9.º dia de Mundial
    0:56
  • Ronaldo no País dos Sovietes: Algumas curiosidades
    1:54
  • O choro intenso de Neymar explicado pelo próprio
    0:51
  • A queda aparatosa do selecionador do Brasil
    0:05
  • Dia de limpezas em Chaves após violenta tempestade
    2:44
  • Athanasia, uma mulher sem medo das alturas
    0:35

    Mundo

    É grega, chama-se Athanasia Athineau, tem 29 anos e pertence à unidade de forças especiais da Grécia. O salto que podemos ver é de 10 mil pés, mas Athanasia faz também saltos de 30 mil. Neste caso, caíu a uma velocidade de 250 quilómetros por hora antes de abrir o pára-quedas.

  • Talheres de Hitler vendidos por 14 mil euros

    Mundo

    Um conjunto de duas facas, três colheres e três garfos de prata, que pertencia a Adolf Hitler, foi vendido em Dorset, Inglaterra, pelo valor de 12.500 libras (aproximadamente 14.200 euros). O serviço de talheres foi criado no âmbito das celebrações do 50.º aniversário do ditador nazi.

    SIC