sicnot

Perfil

Mundo

Países Baixos rejeitam acordo UE-Ucrânia em referendo

O referendo holandês sobre o acordo de associação assinado entre a União Europeia e a Ucrânia teve uma taxa de participação de 32,2%, o que o torna válido, tendo ganho o "não", com 61,1%, indicam os resultados finais provisórios.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Yves Herman / Reuters

Os votos a favor do acordo de livre comércio entre a União Europeia e a Ucrânia, somaram 38,1%, informaram a estação de televisão pública NOS e a agência noticiosa holandesa ANP.

A comissão eleitoral vai divulgar os resultados definitivos no próximo dia 12, pelo que os dados disponíveis são os resultados provisórios divulgados pelos meios de comunicação.

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, já reagiu, dizendo: "Agora entramos num processo que, seguramente, vai durar uns dias. Temos que discutir o assunto no Conselho de Ministros, na Europa e no Parlamento. Vamos dar tempo. Acho que devemos mostrar respeito para os eleitores", acrescentou.

Já Diederik Samson, líder dos trabalhadores do PvdA, que forma Governo com o liberak Rutte, considerou "complicado" o resultado do referendo e recomendou ao executivo que pense bem nos passos que irá dar.

O líder do partido islamofobo PVV, Geert Wilders, congratulou-se na rede social Twitter com o resultado do referendo e disse que "os dois terços dos votantes que disseram 'não' representam um voto de confiança das pessoas contra a elite em Bruxelas e Haia", referindo-se à União Europeia e ao governo de Rutte.

Também o eurocético britânico Nigel Farage se congratulou com o resultado do referendo, acrescentando ter falado com os organizadores da consulta popular da Holanda no sentido de estes se deslocarem ao Reino Unido para fazerem campanha na consulta popular, de 23 de junho.

Lusa

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.