sicnot

Perfil

Mundo

Pop star mordida em palco por cobra venenosa canta até morrer

O acidente aconteceu a meio da segunda canção. A pop star indonésia Irma Bule, que partilha habitualmente o palco com estes répteis, foi mordida depois de pisar a cauda da cobra. Recusou tratamento médico e continuou a cantar, durante 45 minutos, até cair e morrer.

A pop star indonésia Irma Bule, que partilha habitualmente o palco com estes répteis, foi mordida depois de pisar a cauda da cobra

A pop star indonésia Irma Bule, que partilha habitualmente o palco com estes répteis, foi mordida depois de pisar a cauda da cobra

As cobras faziam parte da atuação de Irma Bule. Neste espetáculo em Karawang, em Java Ocidental, estava também em palco uma cobra real. Trata-se da maior cobra venenosa do mundo que pode atingir os seis metros de comprimento.

Irma Blue estava a meio da segunda canção quando pisou a cauda do animal. Em resposta a cobra real mordeu-lhe a coxa.

A pop star recusou tratamento e continuou a cantar durante 45 minutos, Começou a vomitar e depois desmaiou. Tudo isto ainda no palco. Foi depois levada para o hospital que confirmou o óbito.

Para as cobras poderem entrar em palco é preciso fazer uma mutilação das presas e retirado o veneno. Só assim os artistas e os manipuladores estão em segurança. Ao que tudo indica, este procedimento não foi feito com este animal.

O momento em que a cantora é mordida foi filmado. Veja aqui o vídeo.

Vídeo de uma atuação da cantora Irma Bule

  • Temperaturas vão subir até 4ª feira

    País

    As temperaturas vão subir até esta quarta-feira, prevendo-se máximas entre os 22 e os 29 graus na generalidade do território, valores acima do normal para a época do ano, adiantou hoje a meteorologista Maria João Frada.

  • E agora?
    15:07
  • TAP recruta mais assistentes de bordo
    2:40

    Economia

    A TAP assegura que, ainda durante o mês de outubro, os problemas com falta de tripulação vão terminar. Até ao final do ano, vão ser contratados novos assistentes de bordo. Ainda assim, o sindicato diz que não chega.