sicnot

Perfil

Mundo

Portuguesa acusada de matar bebé em Toulouse arrisca prisão perpétua

A portuguesa suspeita de homicídio de um bebé de dois anos em Toulouse, no sul de França, arrisca entre 15 anos de prisão e a reclusão perpétua, explicou à Lusa fonte da Procuradoria de Toulouse.

© Regis Duvignau / Reuters

Na segunda-feira, um casal português compareceu diante de um juiz, tendo a mulher sido acusada de "homicídio voluntário de um menor de 15 anos" e tendo ficado detida, e o homem sido acusado de "não-assistência a pessoa em perigo", saindo em liberdade sob controlo policial.

O homem arrisca uma pena inferior a 10 anos de prisão, continuou a mesma fonte, sublinhando que "a investigação ainda está no princípio e que ambos estão protegidos pelo princípio de presunção de inocência".

"Quando se trata de homicídio voluntário de um menor de 15 anos a pena incorrida é a prisão perpétua. Porém, se se verificar que houve violências que provocaram a morte mas que não havia intenção de matar então a pena é de 15 anos de prisão", explicou a responsável da Procuradoria, acrescentando que a detenção provisória em caso de crime pode durar, no mínimo, um ano.

A procuradoria de Toulouse não adiantou as identidades do casal nem os resultados da autópsia realizada esta semana, confirmando apenas que os suspeitos são "um jovem casal entre 25 e 30 anos que veio de Portugal e que vive há alguns meses em Toulouse".

A mesma fonte precisou que "o bebé de dois anos foi levado para o hospital na sexta-feira à noite, num estado muito grave e não o conseguiram salvar" e que "desde segunda-feira foi iniciada uma investigação para tentar determinar o que se passou".

A chefe da polícia que estava de serviço no fim de semana, Marie Daures, disse à Lusa que o bebé apresentava hematomas e que "supunha que se trata de um caso de um bebé abanado".

Fonte da secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas declarou, na quarta-feira, à agência Lusa que a criança portuguesa foi resgatada de uma instituição de adoção em Portugal meses antes pelo tio, que a levou para Toulouse.

A mesma fonte indicou que o homem disse às autoridades policiais francesas que a criança teve uma "morte natural", mas as respetivas causas só serão definitivamente apuradas depois da autópsia.

Segundo o sítio ladepeche.fr, o bebé, que se chamaria Leonardo, foi declarado morto sábado pelos médicos de um hospital de Toulouse, para onde fora transferido com vários hematomas no dia anterior.

A fonte da Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas, salientando que o caso está a ser acompanhado de perto pelo Governo português, indicou também que a mulher, de 24 anos, está inscrita no consulado português em Lyon e que é natural de Paços de Ferreira, norte de Portugal.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.