sicnot

Perfil

Mundo

Prisão perpétua para duas adolescentes inglesas que mataram mulher em casa

Duas adolescentes que espancaram uma mulher até à morte, em Inglaterra, e depois pediram uma boleia à polícia foram hoje condenadas a prisão perpétua, com pelo menos 15 anos de cumprimento da pena na cadeia.

© Toby Melville / Reuters

As duas raparigas, que tinham 13 e 14 anos na altura do ataque, foram acusadas, na terça-feira, de usarem várias armas, incluindo uma mesa de café e uma impressora para cometerem o crime, na casa da vítima, em dezembro de 2014.

A vítima, Angela Wrightson, com 39 anos, foi encontrada com mais de cem ferimentos no corpo, na sala, coberta de sangue, da sua casa, situada na cidade industrial de Hartlepool.

As duas saíram hoje da sala do tribunal a chorar, após ouvirem a sentença, no final do julgamento, que se prolongou por sete semanas.

Entre as armas utilizadas no ataque inclui-se uma televisão, uma pá, peças de decoração e uma chaleira. A mulher foi presa e torturada.

Durante o assalto, uma das raparigas falou com um amigo através da rede social Facebook, que a ouviu dizer: "Força. Esmaga-lhe a cabeça. Tritura-a".

As raparigas, agora ambas com 15 anos, chamaram a polícia cerca das 02:00 para conseguir uma boleia para casa.

Na carrinha da polícia, as raparigas publicaram uma fotografia na rede social Snapchat com a mensagem: "Eu... atrás, na carrinha da bófia [polícia] outra vez".

O procurador Gerry Wareham afirmou que as raparigas mostraram poucos remorsos.

"Na nossa sociedade, é difícil imaginar que duas raparigas tão jovens sejam capazes de tamanha violência", disse.

"Dada a crueldade do ataque à senhora Wrightson, podia-se pensar que as raparigas mostrassem algum remorso na sequência da sua morte. Pelo contrário, elas riram-se e sorriram enquanto tiravam uma 'selfie'", considerou.

Lusa

  • Nicolas Maduro vence presidenciais na Venezuela

    Mundo

    O chefe de Estado venezuelano, Nicolas Maduro, foi declarado vencedor das eleições presidenciais de domingo pela autoridade eleitoral, com perto de 70% dos votos, depois de contados quase todos os boletins.