sicnot

Perfil

Mundo

Venezuelanos deixam de trabalhar às sextas para poupar luz e água

Os funcionários públicos da Venezuela não vão trabalhar às sextas-feiras durante dois meses para reduzir o consumo de eletricidade e água no país, afetado por uma seca provocada pelo fenómeno meteorológico "El Niño", anunciou o Presidente Nicolás Maduro.

O anúncio foi feito pelo Presidente Nicolas Maduro

O anúncio foi feito pelo Presidente Nicolas Maduro

© Handout . / Reuters

"Amanhã [hoje] deve sair na Gazeta Oficial, o decreto especial estabelecendo todos os dias de sexta-feira, como dias não laboráveis a partir de sexta-feira desta mesma semana, durante abril e maio", disse Maduro, na quarta-feira à noite, durante um programa na televisão pública venezuelana.

Segundo explicou, o decreto estabelece também que os centros comerciais e hoteis têm que passar a gerar nove horas diárias de eletricidade usando fontes próprias, em vez das atuais quatro a que são obrigados desde há várias semanas.

"Peço a máxima colaboração de todo o país. Faço um apelo ao país para que assuma este plano de 60 dias, para poder superar o momento mais difícil, de maior risco", disse.

Segundo Nicolás Maduro, a barragem de El Guri, que garante 63% da energia elétrica do país, deve funcionar com um nível de água entre os 260 e 271 metros, mas esta quarta-feira chegou aos 243 metros, aproximando-se do "extremo de 240 metros".

A 12 de março, o Presidente da Venezuela ordenou a suspensão do trabalho, durante oito dias, para reduzir o consumo de eletricidade e água.

"Tomei a decisão e declarar toda a Semana Santa, desde o sábado, 19 de março, até ao domingo de ressurreição, 27 de março, como dias feriados não laboráveis para todos os trabalhadores públicos do país e para toda a educação nacional, para todos os estudantes de liceus e universidades", disse no final de uma marcha de apoio ao seu regime, em Caracas.

Lusa

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Donald Trump já está no Vaticano 
    1:32