sicnot

Perfil

Mundo

Ex-PR moçambicano Chissano confirma que teve uma ligação com o KGB

O ex-Presidente moçambicano Joaquim Chissano admitiu ter tido uma ligação com o KGB, antigos serviços secretos da extinta URSS, no âmbito da ajuda prestada por este país à Frelimo, partido no poder em Moçambique, mas negou ter sido espião.

Joaquim Chissano, antigo Presidente de Moçambique

Joaquim Chissano, antigo Presidente de Moçambique

© Reuters Photographer / Reuter

"Sim, existiu uma ligação e essa ligação foi que eu tive treino militar na União Soviética e um dos assuntos em que eu fui treinado foi precisamente na inteligência para penetrarmos na zona inimiga. Falo dos portugueses", declarou Chissano, em entrevista divulgada hoje pelo semanário Savana de Maputo.

Em março, o semanário português Expresso revelou, com base em documentos já desclassificados, que Joaquim Chissano colaborou com os serviços de informação russos, com o nome de código "TZOM".

Questionado se a colaboração com o KGB implicava dar informação à secreta da União Soviética, Chissano respondeu: "Sim, tinha de dar [informação], mas não era tanto como eles falam, de espião. Era com o intuito de beneficiarmos de apoios por parte da União Soviética".

O vínculo com o KGB, prosseguiu o antigo chefe de Estado moçambicano, vigorou entre 1966 e 1968 e era necessário como parte da criação de condições de apoio à Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) na luta contra o colonialismo português pela independência do país, alcançada em 25 de junho de 1975.

"Através da KGB, recebíamos dinheiro, não era para mim, era para a Frelimo, para ajudar-nos a realizar o nosso trabalho de inteligência e contrainteligência, para a proteção da própria Frelimo e para a busca de informações do outro lado [português]", enfatizou Joaquim Chissano.

Chissano afirmou que começou a perder interesse na colaboração com o KGB, porque a formação que recebia dos ex-serviços de informação russos deixou de ter relevância, devido à mudança de pessoal na embaixada da União Soviética em Dar es Salaam, capital da Tanzânia, onde se encontrava a sede da Frelimo durante a guerra colonial.

Sobre o alegado envolvimento da KGB na morte do seu antecessor, Samora Machel, que perdeu a vida em 1986 num misterioso despenhamento de avião, Joaquim Chissano considera esse cenário uma mera especulação e que a União Soviética tinha confiança no Presidente moçambicano.

"Isso é mera especulação, hei de ver esse artigo, porque ainda não vi o que estão a dizer, porque, sei lá, pode ser um sonho (...) Samora nunca foi um problema para os soviéticos, mas não sei se as coisas teriam mudado, não sei. Se não, os soviéticos não teriam dado o apoio que nos deram", afirmou Chissano, referindo-se à cooperação entre a ex-URSS e a Frelimo, que continuou depois da independência de Moçambique.

Lusa

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC