sicnot

Perfil

Mundo

Ex-PR moçambicano Chissano confirma que teve uma ligação com o KGB

O ex-Presidente moçambicano Joaquim Chissano admitiu ter tido uma ligação com o KGB, antigos serviços secretos da extinta URSS, no âmbito da ajuda prestada por este país à Frelimo, partido no poder em Moçambique, mas negou ter sido espião.

Joaquim Chissano, antigo Presidente de Moçambique

Joaquim Chissano, antigo Presidente de Moçambique

© Reuters Photographer / Reuter

"Sim, existiu uma ligação e essa ligação foi que eu tive treino militar na União Soviética e um dos assuntos em que eu fui treinado foi precisamente na inteligência para penetrarmos na zona inimiga. Falo dos portugueses", declarou Chissano, em entrevista divulgada hoje pelo semanário Savana de Maputo.

Em março, o semanário português Expresso revelou, com base em documentos já desclassificados, que Joaquim Chissano colaborou com os serviços de informação russos, com o nome de código "TZOM".

Questionado se a colaboração com o KGB implicava dar informação à secreta da União Soviética, Chissano respondeu: "Sim, tinha de dar [informação], mas não era tanto como eles falam, de espião. Era com o intuito de beneficiarmos de apoios por parte da União Soviética".

O vínculo com o KGB, prosseguiu o antigo chefe de Estado moçambicano, vigorou entre 1966 e 1968 e era necessário como parte da criação de condições de apoio à Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) na luta contra o colonialismo português pela independência do país, alcançada em 25 de junho de 1975.

"Através da KGB, recebíamos dinheiro, não era para mim, era para a Frelimo, para ajudar-nos a realizar o nosso trabalho de inteligência e contrainteligência, para a proteção da própria Frelimo e para a busca de informações do outro lado [português]", enfatizou Joaquim Chissano.

Chissano afirmou que começou a perder interesse na colaboração com o KGB, porque a formação que recebia dos ex-serviços de informação russos deixou de ter relevância, devido à mudança de pessoal na embaixada da União Soviética em Dar es Salaam, capital da Tanzânia, onde se encontrava a sede da Frelimo durante a guerra colonial.

Sobre o alegado envolvimento da KGB na morte do seu antecessor, Samora Machel, que perdeu a vida em 1986 num misterioso despenhamento de avião, Joaquim Chissano considera esse cenário uma mera especulação e que a União Soviética tinha confiança no Presidente moçambicano.

"Isso é mera especulação, hei de ver esse artigo, porque ainda não vi o que estão a dizer, porque, sei lá, pode ser um sonho (...) Samora nunca foi um problema para os soviéticos, mas não sei se as coisas teriam mudado, não sei. Se não, os soviéticos não teriam dado o apoio que nos deram", afirmou Chissano, referindo-se à cooperação entre a ex-URSS e a Frelimo, que continuou depois da independência de Moçambique.

Lusa

  • Pagaram 10 libras por diamante que vale milhares

    Mundo

    Há 30 anos um comprador adquiriu um anel de diamantes de 26.27 quilates por apenas 10 libras (cerda de 11 euros) numa feira em Isleworth, no oeste Londres. O proprietário passeou durante três décadas com uma peça que valia cerca de 350.000 libras (407.000€) e não sabia. Confessa que até a usava durante as tarefas domésticas.

    SIC

  • Leão-marinho arrasta criança de doca em Vancouver
    0:51

    Mundo

    O momento em que um leão-marinho arrasta uma menina para a água foi gravado e publicado na internet. Sem nada que fizesse prever, o animal puxou a criança que estava sentada numa doca em Vancouver, no Canadá. A criança foi resgatada de imediato por um familiar e apesar do susto não sofreu ferimentos. O momento de aflição foi testemunhado por vários turistas.

  • Caçador morre esmagado por elefante

    Mundo

    Um famoso caçador morreu na sexta-feira após ser esmagado por um elefante quando estava a caçar. A morte foi confirmada pelas autoridades do Zimbabué, que adiantaram ainda que o animal foi morto por um dos caçadores do grupo de Theunis Botha.