sicnot

Perfil

Mundo

Jornal de Angola critica cobertura da "imprensa do Rossio" e os "amigos da desgraça"

O Jornal de Angola critica hoje em editorial os "amigos da desgraça" e a "imprensa do Rossio", referindo-se diretamente ao tratamento jornalístico em Portugal do anunciado pedido de apoio do Governo angolano ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Foi notória a forma ligeira e pretensiosa como alguma imprensa à margem do Tejo, useira e vezeira em desejar desgraça em casa alheia, saiu à rua para lançar diatribes à volta de um suposto programa de resgate económico monitorado pelo FMI, organização de que Angola é membro de pleno direito", escreve o jornal.

O FMI anunciou na quarta-feira que Angola solicitou um programa de assistência para os próximos três anos, cujos termos serão debatidos nas reuniões de primavera, em Washington, e numa visita ao país.

O ministro das Finanças de Angola, Armando Manuel, esclareceu entretanto que este pedido será para um Programa de Financiamento Ampliado para apoiar a diversificação económica a médio prazo, negando que se trate de um resgate económico.

"Cá dentro, a imprensa do Rossio foi secundada com o anúncio apocalíptico de bancarrota. As finanças públicas não existem mais, segundo o porta-voz da UNITA [Alcides Sakala], que é, para nossa desgraça coletiva, membro da Assembleia Nacional, um órgão de soberania que merece todo o nosso respeito", lê-se ainda.

"Quanto pior para Angola, melhor para Sakala e pares", escreve o editorial do jornal estatal de hoje, intitulado "Os amigos da desgraça".

Pela voz do deputado Alcides Sakala, em declarações à Lusa, a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), maior partido da oposição angolana, disse na quarta-feira que o pedido ao Fundo Monetário Internacional (FMI) "reflete desespero" do Governo.

"Entendemos que há de facto desespero da parte do executivo angolano, que é penalizado pela falta de transparência e pela forma danosa como geriram os dinheiros que pertence a todos nós", disse Alcides Sakala.

"Não fosse a UNITA useira e vezeira em discursos inócuos e sem qualquer sustentação técnica, dir-se-ia que o homem perdeu completamente o Norte e agora confunde Angola com Portugal e o rio Kwanza com o Tejo, tal a sintonia com que o homem orquestra a canção do resgate e da austeridade com os amigos do Rossio", lê-se ainda no editorial do Jornal de Angola.

Lusa

  • Governo de Luanda nega ter pedido um resgate ao FMI
    2:17

    Economia

    O Governo angolano rejeita que tenha pedido um resgate ao FMI. Angola diz que os órgãos de comunicação social fizeram uma interpretação que revela desconhecimento do que está em causa. O Executivo sublinha que vai contar apenas com o apoio do Fundo Monetário Internacional para diversificar a economia e deixar de depender tanto do petróleo.

  • FMI em Angola, a "petrodólar mania acabou"
    2:56

    Economia

    Com o preço do barril de petróleo abaixo dos 40 dólares, Angola com os cofres públicos vazios viu-se obrigada a pedir assistência financeira internacional. As reações suncedem-se. Ao mesmo tempo que o mercado de rua bate máximos para transacionar dólares americanos, a Associação Industrial de Angola diz que a "petrodólar mania acabou".

  • Angola pede ajuda ao FMI pela segunda vez em sete anos
    2:55

    Economia

    Angola pediu ajuda ao Fundo Monetário Internacional. No pico de uma crise económica, por causa das sucessivas quedas do preço do petróleo, o Estado angolano viu-se obrigado a fazer um pedido de assistência financeira, pela segunda vez em sete anos. O país perdeu mais de cinco mil milhões de euros em 2015 com queda do petróleo. O FMI impõe a Angola que diversifique economia e aposte no investimento privado.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18