sicnot

Perfil

Mundo

Último médico da cidade síria de Zabadani morto por atirador

Mohammed Khous foi morto por um atirador no passado mês de março quando terminava mais uma cirurgia num hospital de campanha e se preparava para descansar em casa do filho. A morte do médico, de 70 anos, o último de Zabadani está a gerar a indignação popular, várias manifestações alertaram a comunidade internacional para a situação vivida nesta cidade situada no sul da Síria, próximo da fronteira com o Líbano.

Zabadani, antiga estância turística da Síria, tem sido palco de manifestações de protesto que visam alertar para asituação vivida na cidade sitiada.

Zabadani, antiga estância turística da Síria, tem sido palco de manifestações de protesto que visam alertar para asituação vivida na cidade sitiada.

STR

STR

Zabadani é palco de confrontos entre forças governamentais sírias e milícias do Hezbollah. De acordo com as Nações Unidas, quase meio milhão de sírios estão presos em cercos e as comitivas de ajuda humanitária só conseguiram chegar a cerca de 30% desses locais este ano. A maioria está sitiada pelas tropas de Bashar al-Assad e outros cerca de 200 mil pelo Daesh.

A falta de acessos a bens básicos contribuiu para que várias dezenas de pessoas morressem de fome ou doenças relacionadas com desnutrição.

Há registo de diversas vítimas dos atiradores que circundam a cidade. Um cerco das forças governamentais envolve Zabadani e impede a assistência médica no local. Mohammed Khous, médico admirado pela sua generosidade e pela sua capacidade como cirurgião multifacetado, também não resistiu à bala que sobre ele foi cirurgicamente disparada.

Perdendo o último médico, a cidade sitiada de Zabadani ficou ainda mais desprotegida. O caso alertou as autoridades internacionais.

As Nações Unidas anunciaram ontem que estão a preparar um plano para retirar os doentes e os feridos de quatro cidades sírias sitiadas durante a próxima semana.

Jan Egeland, que lidera o grupo de trabalho dedicado à ajuda humanitária para a Síria, afirmou que uma evacuação médica "de grande dimensão" está a ser planeada para Madaya e Zabadani, duas cidades próximas da capital síria de Damasco sitiadas pelas forças do regime e seus aliados, e para Foua e Kefraya, cercadas pelos rebeldes na região noroeste da Síria.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.