sicnot

Perfil

Mundo

Papa Francisco diz que dar esmola é um gesto de amor

O papa Francisco disse hoje que dar uma esmola não é "tirar um peso" de cima, é "um gesto de amor, de atenção sincera" e de misericórdia para com os pobres e carenciados, que deve fazer-se olhando o seu rosto.

© Stefano Rellandini / Reuters

Jorge Bergoglio criticou aqueles que dão uma esmola "deixando uma moeda apressadamente, sem olhar a pessoa e sem parar para falar e perceber de que necessita".

O papa falava no Vaticano, durante a audiência geral extraordinária relacionada com o Ano Santo Extraordinário da Misericórdia, que termina a 20 de novembro.

A esmola "é um gesto de amor, de atenção sincera para quem se aproxima de nós e pede a nossa ajuda. Dar esmola também para nós deve ser um sacrifício", acrescentou.

Realçou que a esmola "é um aspeto essencial da misericórdia" e que a caridade exige uma atitude de satisfação interior.

"Um ato de misericórdia não pode ser um peso do qual nos temos de libertar quanto antes", acrescentou o papa Francisco.

"Quando pensamos: 'não dou esmola a uma pessoa para que depois vá gastar em vinho e se embebede', [há que pensar que] se se embebeda é porque não encontra outro caminho. E tu, que fazes às escondidas, quando ninguém te vê?", questionou.

"E estás a julgar esse pobre homem que pede uma moeda para um copo de vinho", criticou o papa.

O responsável máximo pela Igreja Católica concluiu que "não é a aparência que conta, mas sim olhar no rosto da pessoa que pede ajuda".

Durante todo o Jubileu, o papa Francisco vai presidir a audiências gerais extraordinárias, um sábado por mês, que se juntam às habituais audiências de quarta-feira na praça de São Pedro, no Vaticano.

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.