sicnot

Perfil

Mundo

Incêndio em templo indiano provoca 102 mortos e 280 feridos

O incêndio que deflagrou hoje num templo indiano, provocado por fogo-de-artifício, causou pelo menos 102 mortos e 280 feridos, segundo um novo balanço oficial.

© Sivaram V / Reuters

Milhares de indianos juntaram-se na madrugada de hoje num templo hindu de Puttingal Deva, na província de Kerala, sul da Índia, para celebrar o festival Vishu, quando o local de lançamento do fogo-de-artifício a ele associado foi alvo de uma explosão.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, considerou que a tragédia é um "choque muito maior do que as palavras".

Residentes na área descreveram ter ouvido uma grande explosão que estilhaçou as janelas das suas casas, a cerca de 100 metros de distância, tendo, depois, saído à procura de sobreviventes entre os escombros.

"Esta manhã, quando chegámos, havia corpos e partes de corpos por todo o lado espalhados pelo chão. Nos telhados consegui ver mãos e braços", disse Anita Prakash, uma residente, à cadeia de televisão CNN-IBN, acrescentando que já tinha levantado alguns receios em relação a espetáculos de fogo-de-artifício anteriores.

Uma equipa de especialistas médicos e paramédicos seguiu já de Nova Deli para ajudar nas operações de assistência sanitária, havendo relatos horríficos de corpos queimados na sequência da explosão.

A Marinha e a Força Aérea indianas estão a enviar meios médicos e de transporte, sobretudo helicópteros, para transportar para unidades hospitalares doutras regiões os feridos em situação mais crítica.

"Há a confirmação da morte de 102 pessoas e de 280 feridos que estão a ser distribuídos por vários hospitais. Agora, o nosso foco é dar o melhor tratamento e apoio aos feridos", disse o governador de Kerala, Oommen Chandy.

Os bombeiros e a polícia combateram as chamas durante toda a madrugada e manhã, bem como tentaram resgatar algumas das pessoas no meio do incêndio.

Em imagens de vídeo amadores é possível ver e ouvir uma série de potentes explosões, associadas, depois, ao fumo em espiral.

Residentes locais foram fotografados a transportar em braços feridos ensanguentados, enquanto outros relatos dão conta de corpos queimados irreconhecíveis.

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC