sicnot

Perfil

Mundo

Polícia descobre vala comum com 55 corpos numa floresta do sudeste da Nigéria

A polícia secreta nigeriana descobriu 55 corpos enterrados sumariamente numa vala comum numa floresta no sudeste da Nigéria, bastião do grupo separatista Povo Indígena do Biafra (IPOB), responsabilizado pelos crimes pelas autoridades locais.

"(A polícia secreta) pôs a nu o papel odioso desempenhado por membros do IPOB no rapto de cinco residentes (da etnia) «Haoussa-Fulani»", declarou o porta-voz dos Serviços de Defesa do Estado nigeriano, Tony Opuiyo.

Segundo Opuiyo, os corpos dos cinco raptados foram descobertos na floresta de Umuanyi, no estado de Abia, onde as autoridades nigerianas creem que terão sido mortos pelos raptores e enterrados sumariamente ao lado de 50 outros cadáveres ainda por identificar.

O porta-voz dos serviços secretos nigerianos garantiu que já foram feitas "algumas detenções" e que, nos inquéritos entretanto feitos, ficou provado que as 55 pessoas foram mortas por membros do grupo separatista.

O movimento separatista Povo Indígena do Biafra foi criado por Nnamdi Kanu, diretor da Rádio Biafra que acabou detido em outubro de 2014 sob a acusação de "propagação de uma agenda de secessão" com a intenção de "liderar uma guerra contra a Nigéria", segundo o Governo nigeriano.

A detenção de Kanu provocou uma vaga de protestos no sudeste da Nigéria, cujos apelos para a independência do Biafra têm sido feitos pelos representantes ma etnia Igbo, maioritária na região.

A cúpula dirigente de um outro grupo independentista local, o Movimento para a Obtenção de um Estado Soberano no Biafra (MASSOB), já saiu em defensa do IPOB, considerando que as alegações governamentais não são credíveis.

"As alegações (dos serviços secretos) não são credíveis, pois não foram apresentadas quaisquer provas", disse à agência France Presse Uchenna Madu, presidente do MASSOB, acusando as autoridades nigerianas de pretender fazê-los passar por "grupos terroristas".

A secessão do Biafra, sete anos depois da independência da Nigéria, desencadeou um conflito feroz de três anos (1967/70), que provocou mais de um milhão de mortos.

Grande parte das mortes deveu-se também à inexistência de cuidados médicos e sobretudo à fome que grassou na região.

Lusa

  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03

    Mundo

    António Costa defendeu uma diplomacia pela paz. O primeiro-ministro português saiu em defesa da língua portuguesa e da presença do Brasil e da Índia no Conselho de Segurança das Nações Unidas. No discurso na Assembleia Geral da ONU, Costa salientou também o compromisso do país em relação ao multilateralismo e às questões ambientais.

  • "Atrás das Câmaras" em Fátima
    2:48
  • "Só tive tempo de avisar o meu sogro e o meu marido e disse: corram!"
    2:17
  • Furacão Maria volta a ganhar força

    Mundo

    Apesar de ter perdido intensidade, após a passagem por Porto Rico, onde deixou um rasto de destruição, Maria voltou a ganhar força, é agora um furacão de categoria 3. Está a afetar a zona norte de Punta Cana, na República Dominicana com ventos que atingem os 90 km/há e move-se para o noroeste.

  • Drone inglês evita execução do Daesh na Síria
    2:08

    Mundo

    A Força Aérea britânica divulgou esta terça-feira um vídeo que mostra um drone a parar uma execução pública que estaria prestes a acontecer às mãos do Daesh, na Síria. As imagens, apesar de cortadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, mostram várias pessoas na rua, uma explosão e, depois, a fuga.

  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15
  • "Não toleramos ameaças de ninguém"
    2:13
  • Número de tartarugas marinhas está a aumentar

    Mundo

    O número de tartarugas marinhas está a crescer, levando investigadores a considerar que os esforços para salvar estes animais são uma "história de sucesso da conservação global", indica um estudo divulgado esta quarta-feira.

  • Tubarões vivem mais tempo do que se pensava

    Mundo

    Uma revisão de dados sobre avaliação da idade dos tubarões revela que muitas espécies têm maior longevidade do que se pensava, o que poderá obrigar a uma revisão dos planos de conservação das mais ameaçadas.

  • Como mudar um templo com 135 anos e 2 mil toneladas... de lugar

    Mundo

    Um templo budista do século XIX é um dos mais populares em Xangai, na China. Visitado diariamente por milhares de pessoas, precisava de ser relocalizado para evitar que uma tragédia acontecesse. E mesmo pesando cerca de duas mil toneladas, a missão acabou por se provar possível.